Tomás Correia e Carlos Tavares juntos no apoio ao próximo chairman do Banco Montepio

Associação Mutualista e Banco Montepio desmentem tensões em torno de João Ermida, sendo nome consensual entre Tomás Correia e Carlos Tavares para o cargo de chairman do banco.

A Associação Mutualista Montepio Geral e o Banco Montepio desmentem tensões em torno de João Ermida, sendo este um nome consensual entre Tomás Correia e Carlos Tavares para desempenhar funções de presidente do conselho de administração do banco. E reforçam, num comunicado conjunto, que João Ermida ainda se encontra à espera de aval do Banco de Portugal para tomar posse.

O Diário de Notícias refere esta quinta-feira que Tomás Correia e Carlos Tavares não se entendem quanto ao nome de João Ermida para o cargo de chairman do banco detido pela mutualista. O jornal adianta que o mal-estar entre ambos se deve ao facto de João Ermida ter sido sócio de António Godinho, que concorreu contra Tomás Correia nas últimas eleições.

Mas tanto a AMMG como o Banco Montepio desmentem eventuais divergências em torno do nome de João Ermida para o cargo que é atualmente ocupado por Carlos Tavares — acumula funções de CEO e com as de chairman do banco até dia 21 de janeiro.

“Tendo em conta o prazo adicional concedido pelo Banco de Portugal para acumulação das funções de presidente do conselho de administração e de presidente da comissão executiva pelo atual titular, a Associação Mutualista, através do seu presidente, desenvolveu iniciativas, em articulação com o presidente do banco, para encontrar e propor um nome para aquela função com respeito pelo prazo referido”, começam por dizer mutualista e banco num comunicado conjunto emitido esta quinta-feira.

E acrescentam: “Na sequência destas iniciativas, o presidente da AMMG endereçou convite a João Ermida e, atendendo ao período eleitoral na instituição, foi adotado o procedimento de pedido de autorização prévia à respetiva nomeação. Tal pedido foi, como dispõe a regulamentação, devidamente instruído pelo banco – incluindo o parecer favorável da Comissão de Auditoria – e submetido formalmente ao Banco de Portugal com o conhecimento da AMMG”.

No mesmo comunicado, as duas partes adiantam que decorre neste momento o processo de avaliação prévia de João Ermida junto do supervisor. “Como é lógico, nenhuma opinião do supervisor foi ou será emitida antes do final deste processo”, sublinham. O Diário de Notícias refere que há a expectativa de que nome de João Ermida vai ser chumbado pelo Banco de Portugal.

Por fim, AMMG e Banco Montepio “lamentam que, com intuitos que se desconhecem, sejam postas a circular notícias que põem em causa a idoneidade e honorabilidade de diversas pessoas envolvidas, invocando fontes não identificadas e certamente não autorizadas”.

(Notícia atualizada às 11h29)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tomás Correia e Carlos Tavares juntos no apoio ao próximo chairman do Banco Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião