Flexdeal paga dividendo de sete cêntimos no fim do mês

Sociedade de investimento para o fomento da economia, que é a mais recente cotada da bolsa de Lisboa, já tinha prometido aos acionistas distribuir 237,86 mil euros, ou seja, 60% dos lucros.

A Flexdeal irá pagar aos seus acionistas um dividendo superior a sete cêntimos por ação, no dia 24 de janeiro. A primeira sociedade de investimento para o fomento da economia (SIMFE) portuguesa, liderada por Alberto Amaral e a mais recente cotada na bolsa de Lisboa, já tinha prometido distribuir 60% dos lucros.

“De acordo com o deliberado na Assembleia Geral realizada a 10 de dezembro de 2018 e o disposto no prospeto de admissão à negociação no Euronext Lisbon de 20 de dezembro de 2018, encontram-se a pagamento, a partir do próximo dia 24 de janeiro de 2019, dividendos relativos ao exercício fiscal de 2018”, afirmou a empresa em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O valor bruto aprovado pela administração é de 0,0741 euros por ação. “A partir do dia 22 de janeiro de 2019 (inclusive) as ações da Flexdeal SIMFE S.A. serão transacionadas na Euronext Lisbon sem direito aos respetivos dividendos”, acrescentou, sobre a data de negociação ex-dividendo.

A cotada comunicou ao mercado, na semana passada, que teve um lucro de 396.429,87 euros nos 12 meses que terminaram no fim de setembro (equivalentes ao primeiro exercício fiscal completo).

O EBITDA — lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações — foi de 579.689,16 euros. Tal como prometido no momento da entrada em bolsa, a Flexdeal vai distribuir 60% dos lucros pelos acionistas (face à obrigação legal de um pay-out de 30%). Assim, a empresa vai usar 237,86 mil euros para a distribuição de dividendos.

O objetivo das SIMFE é o investimento em pequenas e médias empresas (PME), mas também em mid caps e small mid caps. A lei obriga a que os instrumentos de capital representem um mínimo de 50% do património da empresa.

A Flexdeal detinha, no final do terceiro trimestre, uma carteira de 11,8 milhões de euros (correspondentes a 93,1% do ativo total) com 27 participações. Estes investimentos resultaram em rendimentos de 1,53 milhões de euros, a que acrescem rendimentos a reconhecer no futuro, sobre investimentos celebrados no decurso do exercício, no montante de 439,3 mil euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Flexdeal paga dividendo de sete cêntimos no fim do mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião