Caixa dá segunda nega aos deputados. Invoca segredo de justiça para recusar envio da auditoria

Parlamento voltou a pedir à CGD a auditoria independente à gestão, mas levou outra nega. Banco público alega agora "segredo de justiça" após relatório ter sido enviado para o Ministério Público.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) voltou a negar ao Parlamento o envio da auditoria independente à gestão do banco público entre 2000 e 2015, argumentando que o relatório está no Ministério Público e, por isso, em segredo de justiça.

No verão passado, aquando do primeiro pedido, o banco público recusou o envio da auditoria que foi encomendada pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, em 2016, alegando “segredo bancário”. A resposta não satisfez os deputados da comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa que decidiram por isso fazer nova solicitação à instituição liderada por Paulo Macedo. Mas a resposta da CGD às pretensões do Parlamento voltou a ser negativa.

“Como é de conhecimento público, a pedido do Ministério Público (por ofício de 15 de junho de 2018) o documento em análise foi enviado aos autos do inquérito que aí corre, pelo que estamos impedidos de o fornecer a V. Exas, sob pena de violação do segredo de justiça“, diz a carta enviada ao Parlamento pelo presidente da Comissão Executiva da CGD, Paulo Macedo, e pelo presidente do Conselho de Administração do banco público, Rui Vilar.

"A pedido do Ministério Público (por ofício de 15 de junho de 2018) o documento em análise foi enviado aos autos do inquérito que aí corre, pelo que estamos impedidos de o fornecer a V. Exas, sob pena de violação do segredo de justiça.”

Caixa Geral de Depósitos

A auditoria da EY à CGD diz respeito aos atos de gestão do banco público desde o início do ano 2000, tendo revelado “várias operações ruinosas” entre 2005 e 2008 (quando a instituição era presidida por Carlos Santos Ferreira), referiu Luís Marques Mendes, presidente da mesa da assembleia geral do banco da CGD em Angola, no seu espaço de opinião semanal na SIC, a 9 de dezembro. Nessa ocasião, o comentador já avançava que o relatório se encontrava no Ministério Público “a pedido do próprio Ministério Público”, acrescentando que isso poderia “significar que podemos ter, mais dia, menos dia, acusações de gestão danosa referente a esse período”.

Também o Banco Central Europeu (BCE) tem em mãos os resultados da auditoria e, por causa disso, quem passou pelo banco público e precisar de autorização do supervisor para exercício de funções na banca poderá enfrentar mais dificuldades. Esse será o caso de 14 ex-administradores da CGD que exerceram funções entre 2005 e 2008, segundo um levantamento feito pelo ECO. Entre eles estão Norberto Rosa (que esteve recentemente seis meses à espera de luz verde do BCE para integrar a equipa do BCP, e acabou por desistir e ir para a Associação Portuguesa de Bancos), o próprio Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, e o presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Faria de Oliveira.

Relatório sem informação sigilosa seria “inútil”

No documento de resposta aos deputados, a que o ECO teve acesso, os responsáveis máximos da CGD justificam a recusa do envio da auditoria com o Código Penal. Lembram que tanto os membros dos órgãos de administração ou fiscalização como os colaboradores do banco “estão impedidos de revelar informações sobre factos ou elementos respeitantes à vida da instituição ou à relação desta com os seus clientes”.

Na carta, com data de 20 de dezembro, Macedo e Vilar acrescentam ainda que “a divulgação do documento corporizaria a divulgação dos factos e elementos em causa”. Além disso, expurgar a informação sensível desse relatório também não seria alternativa já que “tornaria o relatório inútil, na medida em que restariam apenas textos de teor incompreensível ou informação de natureza geral e pública”, concluem Paulo Macedo e Rui Vilar.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caixa dá segunda nega aos deputados. Invoca segredo de justiça para recusar envio da auditoria

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião