Escola de programação Wild Code School chega a Lisboa. Tem cinco bolsas de estudo para dar a mulheres

A escola de programação europeia Wild Code School está a expandir-se para vários mercados europeus. Curso abre em Lisboa no próximo mês de março e há cinco bolsas de estudo para ganhar.

A escola europeia de programação Wild Code School chegou a Portugal e vai lançar um curso de programação em março deste ano, anunciou a responsável, Ana Sofia Martins, num comunicado. O curso custa 5.000 euros e vai contar com duas modalidades (intensiva e pós-laboral), mas a empresa está a oferecer cinco bolsas de estudo para mulheres que queiram aprender programação aplicada à web, e dá um desconto de 5% ao abrigo de uma parceria com a Portuguese Women in Tech.

“A Wild Code School é uma rede europeia de escolas que oferece um programa intensivo (cinco meses, 40 horas semanais) ou pós-laboral (dez meses) para o curso de web development, isto é, programação aplicada ao desenvolvimento de páginas na internet e de toda a estrutura subjacente, segundo a mesma nota.

Em declarações ao ECO, Ana Sofia Martins explica que a Wild Code School tem o fator diferenciador de pôr os alunos a trabalhar em “projetos reais”, graças a uma rede de parcerias. Em Portugal, a escola já fechou uma parceria com a startup de golfe Hole 19.

“O sistema de aprendizagem é através de blended method, onde na perfeição se combinam aulas e exercícios presenciais com uma plataforma online para os alunos”, sublinha a Wild Code School.

Há cinco bolsas de estudo para ganhar

O curso de programação da Wild Code School vai começar em março deste ano e, por isso, a empresa está “a oferecer cinco bolsas de estudo para mulheres”. “O critério baseia-se num teste técnico feito online e numa entrevista presencial. Serão atribuídas as bolsas às cinco primeiras a concluir ambas as etapas com sucesso”, lê-se no comunicado. E justifica: “O motivo pelo qual é oferecido só a mulheres é apenas para contrariarmos a tendência de termos mais homens nesta área e nas nossas escolas que mulheres.”

A par com Lisboa, a Wild Code School está a expandir-se, simultaneamente, para Madrid, Berlim, Londres e Bucareste, depois de, em quatro anos, ter crescido em França e captado mais de 900 alunos no país, em 14 unidades no território francês, de acordo com a empresa. O conceito foi criado por Romain Coeur e Ana Stépanoff, esta última considerada “uma das mulheres mais influentes” no panorama tecnológico francês pela Inspiring Fifty.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Escola de programação Wild Code School chega a Lisboa. Tem cinco bolsas de estudo para dar a mulheres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião