Armilar lança novo fundo. Tem 45 milhões para investir em startups de tecnologia

A capital de risco privada, ex-Espírito Santo Ventures, fechou novo fundo de 45 milhões para projetos de transferência de tecnologia. Fundo deverá chegar aos 60 milhões de euros.

A Armilar Venture Partners (ex-Espírito Santo Ventures dezembro de 2016), acaba de anunciar a abertura de um fundo de 45 milhões de euros para investir em startups dedicadas à transferência de tecnologia nos mercados português e europeu. O anúncio acontece menos de um mês depois de a Indico ter anunciado a criação de um fundo no valor de 46 milhões de euros, dedicado a projetos de tecnologia e focado no mercado ibérico.

O fundo privado de capital de risco quer investir em projetos de deep tech e, os 45 milhões anunciados fazem parte de um fundo que poderá totalizar 60 milhões de euros de investimento, anunciou a entidade em comunicado. O investimento surge de vários parceiros, entre os quais o Fundo de Investimento Europeu (EIF), as empresas Semapa (através da SemanaNext) e KPN (maior telecom holandesa), instituições académicas como o Instituto Superior Técnico), e outros investidores individuais.

“Ao longo dos anos construímos um profundo conhecimento do ecossistema português, e vimos deal flow de qualidade significativa das melhores escolas de engenharia do país, com as quais temos boas relações. Com a tecnologia como parte do DNA da nossa equipa de investimento, lançámos há poucos anos um fundo muito pequeno para testar a tese de investimento em transferência de tecnologia em Portugal”, explica Pedro Ribeiro Santos, partner da Armilar, acrescentando: “Com este novo fundo, assumimos este investimento a vários níveis, tornando-o internacional e adicionando capacidade de investir em vários estágios. Ter um fundo de transferência de tecnologia significa que, não só podemos investir em empresas de base tecnológica como também podemos fazê-lo mais cedo, trabalhando com instituições para ajudar a identificar e desenvolver as melhores oportunidades para transformar investigações de ponta em empresas líderes”.

Com experiência de 19 anos em investimentos, a gestora de capital de risco — que deixou de estar associada ao BES em dezembro de 2016 — já financiou projetos em Portugal, em toda a Europa e nos Estados Unidos e tem cerca de 260 milhões de euros em capital de risco sob gestão, divididos em quatro fundos (agora cinco). Do seu historial fazem ainda parte 10 exits, dois IPO e um unicórnio (a OutSystems), num total de mais de 40 investimentos até à data. “Apoiar este novo fundo não só é um investimento como é também uma contribuição para ter experiência de fundadores que seja construtiva na relação entre fundadores e investidores”, explica Paulo Rosado, CEO da OutSystems, que faz parte do portefólio da Armilar.

Por erro, o ECO noticiou que a Armilar era o braço de capital de risco do Novo Banco. No entanto, depois da operação de mudança de gestão em dezembro de 2016, a Armilar, ex-Espírito Santo Ventures, deixou de estar ligada ao antigo BES e passou a ser totalmente assegurada pelos atuais gestores e não pelo banco.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Armilar lança novo fundo. Tem 45 milhões para investir em startups de tecnologia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião