Moscovici: “Desaceleração da Zona Euro podia durar mais tempo”

Comissário europeu para os Assuntos Económicos explica revisão em baixa das previsões de crescimento. Fatores externos e internos justificam agravamento do pessimismo.

O comissário europeu para os Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, explicou esta manhã em Bruxelas que a revisão em baixa das previsões de crescimento para Zona Euro se deve a fatores externos mas também internos, e revelou que “os mais recentes dados económicos sugerem que a desaceleração na Zona Euro podia durar mais tempo” do que o previsto em novembro, data das últimas previsões da Comissão, “e prolongar-se para o início de 2019”.

Com um arranque mais fraco do que o esperado, Bruxelas atualizou as previsões de crescimento para o bloco do euro de 1,9% para 1,3%, revelam as Previsões de inverno, publicadas esta quinta-feira pela Comissão Europeia.

Na conferência de imprensa que se seguiu à publicação das previsões, Moscovici adiantou que a segunda metade do ano passado foi pior do que o projetado em matéria de crescimento económico e “esta tendência continuou em janeiro de 2019”.

“Esta perda de gás está ligada ao menor apoio da conjuntura internacional“, afirmou, referindo-se depois às tensões comerciais entre a China e os EUA mas também a um ambiente mais desfavorável na produção industrial da segunda maior economia do mundo.

Tendo em conta o tipo de especialização da produção industrial na Zona Euro e o destino das exportações deste bloco, “a Zona Euro acabou por ser mais afetada por esta desaceleração”.

No entanto, o comissário europeu referiu-se também a fatores internos, como a desaceleração na produção de carros na Alemanha, as tensões sociais no final do ano passado em França, em resultado da contestação provocada pelos coletes amarelos, e a incerteza em torno da política orçamental italiana.

As previsões apresentadas esta quinta-feira concentram-se apenas no crescimento económico e na inflação, não analisando questões relacionadas com política orçamental. Essa análise será feita pela Comissão na primavera.

As incertezas em torno das relações comerciais entre a China e os EUA abrandaram, mas “ainda existem” e “caso não haja um Brexit suave, haverá impacto no crescimento, mais no Reino Unido que na União Europeia“. A Comissão mantém assim riscos descendentes sobre as suas previsões de crescimento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moscovici: “Desaceleração da Zona Euro podia durar mais tempo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião