É um dos melhores violoncelistas do mundo. E escolheu uma produtora portuguesa para fazer videoclip

A produtora portuguesa Nebula já teve em mãos campanhas publicitárias para marcas como a Vodafone e a UEFA. Seguiu-se a realização do vídeo de um dos violoncelistas mais conceituados do mundo.

Música clássica, futebol, Popota, telecomunicações. Esta produtora portuguesa trata dos mais variados temas, por vários cantos do mundo. O último projeto que abraçaram foi o videoclip de Yo-Yo Ma, que é considerado um dos melhores violoncelistas do mundo. Para além daqueles nos bastidores, mais portugueses participam neste vídeo, para o qual foi pedida a contribuição de pessoas.

A Nebula tomou forma em 2008, quando João Marchante, André Gaspar e Guilherme Afonso se juntaram para montar uma empresa. A produtora, que agora tem casa na LxFactory, trabalha principalmente em projetos de publicidade e campanhas para marcas. Entre aqueles que se destacam estão os trabalhos para a Vodafone, Um Bongo, a UEFA e a Federação Internacional de Basquetebol.

Os três sócios da Nebula Studios, Guilherme Afonso, André Gaspar e João Marchante.Nebula

A oportunidade de trabalhar com Yo-Yo Ma surgiu a partir de contactos dos escritórios da produtora no Brasil. André Gaspar foi o realizador do vídeo, que faz parte do projeto “Bach” do violoncelista, no qual interpreta a obra do compositor em vários locais do mundo. Teve como mote uma frase do violoncelista, que diz “Cultura – a maneira como nos expressamos e nos entendemos – pode unir-nos como um só mundo”.

Pessoas de vários cantos do mundo responderam ao pedido de enviar vídeos para a equipa de Ma a “mostrar ao mundo como se exprimem e o que aproxima a comunidade”. Para a equipa da Nebula, produzir o vídeo “foi um processo interessante e realmente único” porque, para além do brief criativo que receberam, “existiu também a componente de receber e integrar o material que os fãs do Yo-Yo Ma enviaram no próprio videoclip”, contam ao ECO.

“Queríamos estar à altura de um génio como Bach e de uma lenda viva como o Yo-Yo Ma”, explica André Gaspar. No videoclip, de cerca de três minutos, vê-se Yo-Yo Ma em Nova Iorque, a tocar o preludio da suíte número um para violoncelo de Bach, enquanto são mostradas diversas formas de expressão, como design, música, pintura, dança e até cerâmica.

De publicidade saltam para o grande ecrã

Apesar de o trabalho desenvolvido pela Nebula se centrar na publicidade, a produtora aventurou-se para uma curta-metragem original, de animação. Apelidada de “Don’t Feed These Animals” (DFTA), a curta já foi apresentada no Speechless Film Festival, onde ganhou um prémio de excelência, e segue agora para outros festivais.

Guilherme Afonso e Miguel Madaíl de Freitas. realizadores da curtaNebula Studios

“Um dos objetivos da Nebula Studios é, sem dúvida, procurar o reconhecimento internacional e colocar Portugal na vanguarda da Animação 3D”, revela Miguel Madaíl de Freitas, um dos realizadores da curta, ao ECO. Continuar a fazer filmes próprios e curtas do mesmo estilo está também nos planos da produtora.

"Um dos objetivos da Nebula Studios é, sem dúvida, procurar o reconhecimento internacional e colocar Portugal na vanguarda da Animação 3D.”

Miguel Madaíl de Freitas

“Há 10 anos que a Nebula trabalha na indústria da publicidade e, entre várias campanhas desenvolvidas para marcas, conseguimos produzir a DFTA porque é o nosso sonho e corremos por amor à camisola“, conta Guilherme Afonso, outro dos realizadores. A ideia partiu de um desenho oferecido por José Alves da Silva, de um coelho que se viria a tornar protagonista da curta do estúdio português.

Um laboratório de testes é o palco da curta, que mostra um coelho a tentar dar vida à sua comida favorita, uma cenoura. Os realizadores estão confiantes de que todos poderão gostar desta história. “Desde a ação mais gato e rato que remete para Tom & Jerry até à própria animação 3D, acho que conseguimos ter uma variedade de características e pontos de interesse que toca em vários gostos e gerações”, diz Miguel Madaíl de Freitas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É um dos melhores violoncelistas do mundo. E escolheu uma produtora portuguesa para fazer videoclip

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião