Dívida privada e pública deixa Portugal exposto a nova crise, diz S&P

  • ECO
  • 13 Março 2019

A agência de rating Standard & Poor’s alerta para as vulnerabilidades de Portugal, que deixam o país exposto a uma nova crise. A dívida das empresas é um dos fatores de risco.

A dívida privada e pública deixa Portugal vulnerável a uma nova crise, alerta a Standard & Poor’s (S&P). As empresas portuguesas têm o quinto maior nível de esforço no pagamento de juros e outros encargos com a dívida, num universo de 32 países, revela um estudo da agência de rating citado pelo Dinheiro Vivo (acesso livre).

O rácio da dívida pública afigura-se como o quarto maior dos países desenvolvidos, e o décimo da lista global. Estes elementos fazem soar os alarmes da S&P, que adianta, no entanto, que uma possível crise “pode ser inevitável, mas não deve ser tão má quanto a crise financeira global de 2008-2009”.

A dívida empresarial apresenta-se como um dos maiores riscos. O peso do serviço da dívida no total do rendimento disponível das empresas correspondia, em média, a 49,7% no fim do terceiro trimestre do ano passado. Este rácio tinha começado a aliviar, mas parece que a tendência voltou a inverter.

Apesar das reduções conseguidas nos últimos tempos, a dívida pública continua também a deixar Portugal exposto a uma crise. Coloca-nos em décimo na lista dos Estados mais endividados do mundo, em termos de dimensão da economia. Quando se pesa o fardo da dívida, subimos para quarto lugar entre 43 países, com o rácio da dívida pública fixado nos 121,5% em 2018.

A agência de rating reitera que o risco de contágio é menos elevado do que na última crise, mas não deixa de apontar alguns fatores de vulnerabilidade. Entre eles, as taxas de juro “extremamente baixas”, uma “concentração muito maior de emitentes na categoria de rating ‘BBB’”, a diversidade de áreas arriscadas, como mercados de derivados, e ainda os riscos de incumprimento e malparado.

Já nesta quarta-feira, Portugal volta aos mercados, para colocar entre 1.000 e 1.250 milhões de euros em Obrigações do Tesouro a sete e a dez anos. Os juros da dívida portuguesa a dez anos ficaram a cotar perto de mínimos históricos em antecipação deste leilão, promovido pelo IGCP.

O estudo “A próxima crise da dívida: será que a liquidez aguenta?”, do S&P, foi feito com base nos dados do Banco de Pagamentos Internacional e do Fundo Monetário Internacional. Nesta sexta-feira, a agência deverá apresentar uma nova avaliação ao rating de Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida privada e pública deixa Portugal exposto a nova crise, diz S&P

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião