Seat lucra mais. Reforça aposta nos elétricos e híbridos

  • Lusa
  • 27 Março 2019

Os lucros da Seat aumentaram no ano passado, para 294 milhões de euros. A empresa do grupo Volkswagen anunciou planos para reforçar a estratégia no segmento dos automóveis elétricos e híbridos.

A Seat anunciou em Barcelona que teve lucros de 294 milhões de euros em 2018 e que a aposta nos “elétricos” e “híbridos” implica o lançamento de seis novos modelos até 2021. O lucro da empresa, depois de impostos, atingiu os 294 milhões de euros, mais 4,6% do que no ano anterior.

Os resultados de 2018 “foram alcançados graças à venda de 518.000 veículos, um recorde nos 68 anos que tem a companhia”, sublinhou o presidente da Seat, Luca de Meo, na apresentação dos resultados para 2018 da empresa que pertence ao Grupo Volkswagen.

A Seat produziu em 2018 na Autoeuropa, em Palmela, 19.588 viaturas do modelo “Alhambra” e vendeu 19.150 unidades em todo o mundo, uma diminuição de 41,5% em relação ao ano anterior, o que indica, como já foi anunciado, que o modelo vai ser descontinuado em breve.

Luca de Meo apresentou a “estratégia elétrica” da empresa que, até ao início de 2021, irá lançar seis modelos elétricos e híbridos plug-in e desenvolver em Espanha uma nova plataforma para veículos elétricos. Essa plataforma para montar veículos elétricos será desenvolvida na fábrica de Barcelona e poderá ser utilizada por todas as marcas do Grupo Volkswagen.

A nova plataforma tem como objetivo “desenvolver veículos elétricos acessíveis”, com um preço de entrada abaixo dos 20.000 euros, até 2023.

O lucro operativo da empresa cresceu 93,2%, alcançando os 223 milhões de euros, enquanto o volume de negócios alcançou os 9.991 milhões de euros, 4,6% acima do resultado de 2017.

“Todos os registos estabeleceram novos recordes históricos”, sublinhou a Seat em comunicado de imprensa, acrescentando que nos últimos cinco anos, a faturação da empresa cresceu 33%.

Em 2018, a empresa aplicou 1.223 milhões de euros, mais 27,1% do que no ano anterior, em investimentos e gastos com a investigação e desenvolvimento (I+D).

No ano passado, a Seat exportou 80% do seu volume de negócios e manteve-se como a principal empresa industrial exportadora de Espanha, com cerca de 3% do valor total de exportações do país.

O maior mercado de vendas da empresa foi a Alemanha com 114.155 veículos comercializados (+11,8% em relação a 2017), seguido pela Espanha 107.688 (+13,3%), tendo vendido em Portugal 9.607 unidades (+16,7%). A empresa prevê desenvolver nos próximos anos “uma estratégia de crescimento no norte de África” e pretende iniciar a sua atividade no Chile em 2019, bem como reforçar a presença na Colômbia.

O presidente da Seat considerou a China “o mercado mais importante para o grupo Volkswagen” e avançou que a empresa se prepara para entrar no maior mercado automóvel do mundo a partir de 2021.

“A Seat é uma marca sedutora para o Grupo Volkswagen porque atrai clientes jovens”, disse Herbert Diess, presidente do conselho de administração, sublinhando em seguida que o grupo Volkswagen pode contar com a empresa “para liderar diferentes planos que moldarão o futuro da mobilidade urbana, como a estratégia dos veículos de duas rodas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seat lucra mais. Reforça aposta nos elétricos e híbridos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião