Ex-vereador de Lisboa diz que não houve preparação para aumento da procura de transportes

  • Lusa
  • 28 Março 2019

Fernando Nunes da Silva lamentou que o Governo não tenha começado a fazer encomendas de material no primeiro ano de mandato, porque, segundo afirma, estas só vão chegar daqui a três ou quatro anos.

O Governo não preparou o eventual aumento da procura de transportes, na sequência da redução do tarifário dos passes, considerou hoje o ex-vereador da Câmara de Lisboa Nunes da Silva, lembrando que o material não se “compra em supermercados”.

Em declarações à agência Lusa, Fernando Nunes da Silva lamentou que o Governo não tenha começado a fazer encomendas de material no primeiro ano de mandato, porque, segundo afirma, estas só vão chegar daqui a três ou quatro anos.

“O responsável pela área devia julgar que o material de transporte se compra nos supermercados”, afirmou o professor de Urbanismo e Transportes no Instituto Superior Técnico, reforçando que as encomendas não são “entregues ao domicílio no dia seguinte”.

“Só quando os motores das automotoras começaram a cair e a CP [Comboios de Portugal] começou a anular serviços, e quando os barcos do rio Tejo pararam por falta de peças, é que o Governo se lembrou de fazer as encomendas”, salientou, recordando que “os comboios têm bitola ibérica e têm de ser feitos por medida”, demorando mais tempo.

Nunes da Silva reconheceu alguma estranheza e estupefação “com o à vontade com que estas coisas estão a ser tratadas”, não havendo um plano B para o caso do aumento da procura face à oferta.

“Vai ser particularmente grave com estas medidas, porque é muito natural que haja um aumento significativo da procura. O mínimo que se pode esperar é na ordem dos 20%”, explicou, alertando para “uma certa incompetência e desleixo das entidades responsáveis em não definirem um período de transição”.

O professor catedrático do Instituto Superior Técnico salientou ainda que a redução dos preços era absolutamente essencial face à disparidade entre o poder de compra das famílias e o custo de transporte.

“Era inconcebível”, frisou.

O PART – Programa de Apoio à Redução do Tarifário dos Transportes Públicos pretende incentivar o uso dos transportes coletivos nas grandes cidades e foi publicado em 5 de fevereiro.

O diploma estabelece que as Áreas Metropolitanas de Lisboa (AML) e do Porto (AMP) e as 21 Comunidades Intermunicipais (CIM) recebam 104 milhões de euros do Fundo Ambiental, através do Orçamento do Estado, e comparticipem o programa com um total de 2,6 milhões. A verba estará disponível a partir de 01 de abril.

O programa de redução tarifária nos transportes públicos começa em 1 de abril também em 16 Comunidades Intermunicipais (CIM). Cinco CIM – Leiria, Terras de Trás-os-Montes, Alentejo Litoral, Algarve e Tâmega e Sousa – adiaram o seu arranque para maio, de acordo com o Ministério do Ambiente.

Todas as outras iniciarão a implementação de reduções tarifárias em 1 de abril, tal como acontecerá com as duas Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto.

O programa prevê que as 21 CIM recebam, através do Orçamento do Estado, um total de 23,2 milhões de euros para adotarem medidas de redução tarifária nos transportes públicos nos respetivos territórios.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ex-vereador de Lisboa diz que não houve preparação para aumento da procura de transportes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião