Familygate: há agora mais cinco casos de nomeações familiares

  • ECO
  • 4 Abril 2019

Estes cinco novos casos surgem depois de António Costa ter mandado fazer um diagnóstico aos gabinetes ministeriais em busca de outras relações familiares dentro do Governo.

O primeiro-ministro António Costa deu esta quinta-feira indicação aos ministérios para que passassem o Governo a pente fino em busca de novas relações familiares. Horas depois, já há cinco novos casos de nomeações de familiares no Partido Socialista, avança o Observador.

Na teia das relações familiares no Governo, comecemos por Rui Ribeiro, companheiro de Idália Serrão — que em janeiro renunciou ao mandato de deputada. Rui Ribeiro foi nomeado a 14 de janeiro para o cargo de presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária por Artur Neves, o secretário de Estado da Proteção Civil. A nomeação é do Ministério da Administração Interna, liderado por Eduardo Cabrita, que, tal como a mulher e ministra Ana Paula Vitorino, foi camarada de Idália Serrão na bancada socialista.

Jorge Vultos Sequeira, amigo e sucessor de Pedro Nuno Santos na liderança do PS de Aveiro, é presidente da câmara municipal de S. João da Madeira. Antes disso, Jorge Vultos Sequeira tinha sido chefe de gabinete de Fernando Rocha Andrade, então secretário de Estado da Administração Interna, entre 2005 e 2007. Mas a teia não fica por aqui, envolvendo, ainda, a sua sobrinha.

Catarina Vultos Sequeira, sobrinha de Jorge Vultos Sequeira foi nomeada técnica especialista em dezembro de 2015 por Fernando Rocha Andrade. Entretanto, na sequência do caso Galpgate, Rocha Andrade saiu do Governo e, no mesmo mês, Catarina Vultos Sequeira foi nomeada adjunta de um outro gabinete governamental. Mas o currículo da sobrinha do amigo de Pedro Nuno Santos contempla, ainda, a secretaria de Estado da Internacionalização, para onde foi em outubro.

Ana Vasques, filha do antigo deputado do PS Tomás Vasques — que também foi vereador socialista na câmara de Lisboa — depois de vários anos na Administração Pública, foi nomeada pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, como técnica especialista.

Quem também foi nomeada técnico especialista foi Nuno Almeida Barreto, que é filho do presidente da distrital de Braga do Partido Socialista. O filho de Joaquim Barreto foi nomeado técnico especialista do gabinete do secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, em dezembro de 2015.

Só faltava mesmo uma relação de genro e sogro. José Miguel Ferreira da Silva, mais conhecido como José Litra, foi membro do gabinete do ex-ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral e está agora na Agência Erasmus+, tendo sido nomeado pelo secretário de Estado da Juventude e do Desporto. José Miguel Ferreira da Silva é casado com Joana Maciel, filha da deputada socialista Palmira Maciel, que é vereadora sem pelouro da Câmara de Braga, tendo integrado o executivo de Mesquita Machado até 2013.

(Notícia corrigida no dia 5 de abril para retirar um dos casos, porque não se enquadrava no ângulo da investigação, já que a ligação da mãe da nomeada ao PS só começou nas últimas autárquicas, já depois de a filha estar no Governo. Pedimos desculpa aos nossos leitores e aos visados)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Familygate: há agora mais cinco casos de nomeações familiares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião