IGCP quer emitir até 4.000 milhões em dívida de curto prazo

Portugal vai continuar a fazer leilões regulares de dívida de longo prazo, até ao final de junho. Isto ao mesmo tempo que prevê financiar-se em até quatro mil milhões de euros com bilhetes do Tesouro.

Portugal tem estado bastante ativo no financiamento da dívida. Arrancou o ano com uma emissão sindicada a que se seguiram já vários leilões de obrigações do Tesouro, operações que vai continuar a realizar durante este segundo trimestre. Até junho, o IGCP fará também três leilões de títulos de curto prazo com os quais pretende obter até 4.000 milhões de euros.

“No próximo trimestre, o IGCP prevê emissões de OT através da combinação de sindicatos e leilões, sendo esperadas colocações de 1.000 a 1.250 milhões de euros por leilão“, refere a agência liderada por Cristina Casalinho, notando que estes leilões serão realizados à segunda ou quarta 4.ª feira de cada mês.

Mais concreto é, contudo, o calendário de financiamento através dos títulos de dívida de curto prazo, os bilhetes do Tesouro. Através destes, estão agendadas três leilões.

De acordo com o programa de financiamento revelado pelo IGCP, o primeiro dos três leilões a realizar este trimestre será já a 17 de abril, operação com a qual pretende obter entre 1.000 e 1.250 milhões de euros com títulos a três e 11 meses.

A juntar a este leilão haverá outros dois, sendo que no total a meta é a de obter entre 3.250 e os 4.000 mil milhões de euros através destes títulos de curto prazo.

“O IGCP acompanhará ativamente a evolução das condições de mercado, podendo introduzir ajustamentos às presentes linhas de atuação”, remata a agência em comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IGCP quer emitir até 4.000 milhões em dívida de curto prazo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião