Líderes europeus aceitam adiar Brexit até 31 de outubro

De acordo com diplomatas citados pela Reuters, os líderes europeus aceitaram adiar a saída do Reino Unido da União Europeia até 31 de outubro, com uma revisão em junho.

Os líderes europeus aceitaram adiar a saída do Reino Unido da União Europeia até 31 de outubro, com uma revisão em junho.

Os 27 líderes euros acordaram numa posição comum, após horas de negociações, que vai agora ser apresentada à primeira-ministra britânica, Theresa May, para que esta aprove a proposta dos restantes Estados-membros. May tinha pedido um adiamento até 30 de junho. Na decisão dos líderes europeus terá pesado o facto de a futura Comissão Europeia entrar em funções a 1 de novembro.

A notícia, que começou por ser avançada pela Reuters (acesso livre conteúdo em inglês), foi entretanto confirmada pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, através da sua conta de Twitter, anunciou que os 27 acordaram dar uma extensão do artigo 50.º ao Reino Unido, após seis horas de reunião.

A solução é um meio caminho entre a proposta de Theresa May, quer queria uma extensão até 30 de junho e o praza mais longo preconizado pela maioria dos países do Conselho Europeu que apontavam para março de 2020.

Este novo prolongamento – depois de um primeiro concedido há três semanas, até 12 de abril, já que a data prevista para a concretização do Brexit era 29 de março – prevê que o Reino Unido deverá participar nas eleições europeias, caso não ratifique o Acordo de Saída até à data do escrutínio (23 a 26 de maio).

Por não acreditar que o Reino Unido consiga ultrapassar nas próximas semanas a profunda divisão que se regista na Câmara dos Comuns – que já reprovou por três vezes o Acordo de Saída “fechado” em novembro de 2018 entre a UE e o Governo britânico –, a UE a 27 voltou a rejeitar a data sugerida por May, 30 de junho, optando antes por uma extensão mais longa, como defendia Portugal.

António Costa defendeu esta quarta-feira que o Conselho Europeu devia conceder uma “extensão tão longa” quanto o Reino Unido considerar necessária para sair da União Europeia de forma ordenada. “Devemos agora acordar uma extensão tão longa quanto necessária para que o Reino Unido possa ter uma posição final e consequente sobre esta questão e espero que seja isso que o Conselho [Europeu] hoje permita”, disse à entrada para a cimeira europeia, em Bruxelas, o primeiro-ministro citado pela Lusa.

“A extensão do Brexit até 31 de outubro é sensível já que dá ao Reino Unido tempo para escolher o seu caminho”, escreveu o primeiro-ministro maltês, Joseph Muscat na sua conta de Twitter, acrescentando que uma cimeira em junho permitiria aos líderes europeus “avaliar a situação”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Líderes europeus aceitam adiar Brexit até 31 de outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião