Centeno revê em alta carga fiscal até ao final da legislatura

No Programa de Estabilidade, o Governo prevê que a carga fiscal se reduza ao longo da legislatura seguinte. Mas ela será sempre mais alta do que o ministro das Finanças previa há um ano.

O Governo prevê que a carga fiscal se reduza entre 2019 e 2023, mas vê o peso dos impostos no PIB num patamar superior ao que Mário Centeno traçava há um ano.

No Programa de Estabilidade, o Governo prevê que a carga fiscal seja de 35,1% este ano, chegando a 2023 — o último ano da próxima legislatura — em 34,8% do PIB.

Apesar da redução gradual, a carga fiscal vai fixar-se num patamar superior ao que previa em abril de 2018, a última vez em que o Programa de Estabilidade foi atualizado.

Há um ano, o Governo esperava que a carga fiscal ficasse em 34,4% do PIB entre 2019 e 2022, em cada um dos anos. Agora os valores são os seguintes: 35,1% este ano e no próximo, 35% em 2021 e 2022 e 34,8% em 2023.

Mário Centeno usa um critério diferente do que o Instituto Nacional de Estatística (INE) publica. Por exemplo, para 2018, o ministro das Finanças tem uma carga fiscal de 35,2%. Em março, o INE avançou que nesse ano a carga fiscal foi de 35,4% do PIB.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Centeno revê em alta carga fiscal até ao final da legislatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião