Mulheres vão receber formação em liderança e Santander tem 45 bolsas de estudo disponíveis

  • Ricardo Vieira
  • 15 Abril 2019

As selecionadas para seis dias na UCLA recebem uma bolsa de estudo que inclui deslocação, alojamento, curso e materiais a serem utilizados.

Graças a uma parceria entre o Santander Universidades e a Anderson School of Management da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), nos Estados Unidos, 45 mulheres vão poder usufruir de um programa de formação de seis dias na universidade americana, seguidos de três meses de acompanhamento para reforçar os conhecimentos obtidos. A bolsa de estudo inclui também despesas com deslocação, alojamento, curso e materiais a serem utilizados.

O Programa W50 do Santander Universidades tem como objetivo “capacitar e qualificar a próxima geração de mulheres para cargos de liderança global, fortalecer o relacionamento institucional com as universidades e reafirmar o compromisso do Banco Santander com a Educação”, explica a instituição em comunicado.

Liderança estratégica, conhecimento organizacional, gestão corporativa, estratégia empresarial, principais responsabilidades, negociação, mentoring e networking são os temas-chave do programa ministrado no campus da UCLA.

Todos os anos, as participantes assistem a conferências e cursos realizados por mulheres com relevo a nível internacional que partilham a sua experiência profissional e a sua visão sobre o papel das mulheres no mundo da direção de empresas.

O curso decorre em junho, em Los Angeles, mas as candidaturas para a bolsa de estudo terminam a 26 de abril.

Desde 2002, o Santander destinou mais de 1.700 milhões de euros a iniciativas e programas académicos, e só em 2018 concedeu mais de 73.000 bolsas e ajudas com “o propósito de contribuir, através do seu apoio à educação, para o desenvolvimento das pessoas, das empresas e da sociedade”, refere o banco.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mulheres vão receber formação em liderança e Santander tem 45 bolsas de estudo disponíveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião