Empresas estão solidárias. Gucci e Louis Vuitton doam 300 milhões para a reconstrução da catedral de Notre-Dame

Depois das famílias Pinault e Arnault anunciarem doações de 300 milhões de euros, criou-se uma onda de solidariedade. Já são várias as empresas que se mostram disponíveis para contribuir.

O incêndio que destruiu parte da catedral de Notre-Dame deixou o mundo sensibilizado. Depois do presidente do Parlamento Europeu ter pedido aos eurodeputados que doassem um dia de salário para a reconstrução do monumento, foi a vez de duas marcas de luxo ajudarem. As famílias Pinault, detentora da marca Gucci, e a Arnault, da marca Louis Vuitton, anunciaram doações que, no total, perfazem 339 milhões de dólares (300 milhões de euros).

François-Henri Pinault, presidente e diretor-executivo da Gucci, juntamente com o pai, François-Pinault, vão doar 100 milhões de euros para a recuperação do monumento, avança a Bloomberg (conteúdo em inglês). “Esta tragédia está a afetar todo o povo francês e todos aqueles ligados aos valores espirituais”, disse François-Henri Pinault, com 56 anos, em comunicado. “Diante desta tragédia, todos desejam devolver a vida a essa joia da nossa herança o mais rapidamente possível”.

Mais tarde foi a vez de a família Arnault, do Grupo LVHM (Louis Vuitton), anunciar uma doação de 200 milhões de euros. “A família Arnault e o Grupo LVMH, solidários com esta tragédia nacional, mobilizam-se por Notre-Dame. Fará uma doação global de 200 milhões de euros ao fundo dedicado à reconstrução desta obra arquitetónica, que é parte da história de França”, anunciou o Grupo no Twitter.

O Grupo “colocará à disposição do Estado francês todas suas equipas — criativas, arquitetónicas e financeiras — para ajudar, por um lado, com o longo trabalho de construção e, por outro, com o esforço de angariação de fundos”.

Bernard Arnault, com 70 anos, principal acionista da LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton SE, é a terceira pessoa mais rica do mundo, com uma fortuna estimada em 90,4 mil milhões de dólares (80 mil milhões de euros), de acordo com o Bloomberg Billionaires Index. Por sua vez, François-Pinault, com 82 anos, ocupa a 23.ª posição com uma fortuna de 37,3 mil milhões de dólares (33 mil milhões de euros).

A Presidente da Câmara de Paris anunciou no Twitter a intenção de organizar uma conferência para arrecadar o dinheiro necessário para a reconstrução. “Eu vou propor que organizemos nas próximas semanas uma grande conferência internacional de doadores (…) com patrocinadores de todo o mundo para arrecadar os fundos necessários para a restauração“, escreveu Anne Hidalgo.

Emmanuel Macron, Presidente francês, prometeu reconstruir o monumento gótico com 850 anos, e pediu contribuições a todos, garantindo que iria recorrer aos melhores talentos do mundo para este projeto. O Parlamento Europeu colocou no exterior uma “caixa”, apelando aos eurodeputados que lá coloquem o equivalente a um dia de salário para ajudar na reconstrução.

Estas doações foram o pontapé de partida para uma onda de doações empresariais e mundiais, diz a Bloomberg, como é o caso da multinacional francesa Capgemini que prometeu doar um milhão de euros.

Também a construtora Vinci, da família Duval, (proprietária do grupo imobiliário Groupe Duval e do BNP Paribas) e proprietária da ANA – Aeroportos de Portugal, anunciou que vai contribuir, embora não tenha adiantado valores. “A Vinci aconselha todas as empresas de construção em França a unir forças para reconstruir Notre-Dame”, referiu a empresa, em comunicado.

O Governo regional de Ile-de-France, em Paris, vai doar dez milhões de euros em ajuda de emergência à arquidiocese para os trabalhos de reconstrução iniciais, disse Valerie Pecresse, política francesa. As pessoas que pretendam fazer doações podem fazê-lo através da organização sem fins lucrativos Fondation du Patrimoine.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas estão solidárias. Gucci e Louis Vuitton doam 300 milhões para a reconstrução da catedral de Notre-Dame

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião