CTT já estão a ser afetados pela falta de combustível. Vão limitar “uso de viaturas”

Os CTT prepararam-se para esta falta de combustíveis em Portugal, mas estão a limitar o uso de algumas viaturas para poupar este recurso. Distribuição do correio é dependente deste recurso.

A crise no abastecimento de combustível em Portugal também está a causar problemas aos CTT CTT 0,20% . O setor postal precisa de combustível para transportar os objetos, desde as encomendas às cartas, pelo que a empresa liderada por Francisco de Lacerda está a limitar o “uso de algumas viaturas”.

“Fruto da greve em curso os CTT estão esta quarta-feira a registar alguns constrangimentos na operação em Portugal Continental, nomeadamente devido à limitação do uso de algumas viaturas”, indica a empresa ao ECO. “Na atividade internacional e Regiões Autónomas existem constrangimentos operacionais fruto do cancelamento de voos e restrições de carga”, acrescenta a mesma fonte.

A empresa garante que se antecipou ao problema, tendo tomado “todas as medidas” ao seu alcance para “maximizar o número de dias em autonomia nas várias unidades operacionais por todo o país”. “Os CTT estão a monitorizar a situação, procurando minimizar o impacto nos clientes e na qualidade do serviço”, conclui.

Os correios tornam-se, assim, a mais recente empresa a admitir a eventualidade de vir a registar um impacto da greve dos trabalhadores que transportam matérias perigosas nas suas operações. A greve levou a que esgotassem as reservas numa parte significante das bombas de gasolina e gasóleo no país, com o problema a estender-se ainda ao setor da aviação e a outros.

Atualmente, o sindicato responsável pela greve e a ANTRAM estão reunidos no Ministério do Trabalho, enquanto tentam negociar uma solução para o problema.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT já estão a ser afetados pela falta de combustível. Vão limitar “uso de viaturas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião