“Mais antiga” locomotiva a vapor portuguesa vai ser restaurada

  • Lusa
  • 13 Maio 2019

Objetivo da intervenção "é assegurar a salvaguarda deste importante património nacional".

A “mais antiga” locomotiva a vapor portuguesa, a Andorinha, datada de 1856 e guardada em Vila Nova de Famalicão, vai ser alvo de uma “intervenção profunda de restauro”, anunciou a autarquia.

Em comunicado enviado à Lusa, a câmara de Famalicão explica que a Andorinha está em exposição na freguesia de Nine, desde 2002, e que agora “vai viajar” até ao até às instalações do Museu Nacional Ferroviário, onde “irá beneficiar de um processo de recuperação e restauro a efetuar pelos técnicos competentes”, abrigo de “uma posição conjunta” da autarquia, da Junta de Freguesia de Nine.

Segundo lembra o texto, “a Andorinha foi fabricada, em Inglaterra, no ano de 1856 por William Fairbaim&Sons, e adquirida em 1857 num lote de quatro locomotivas destinadas ao caminho-de-ferro do Leste (Lisboa-Elvas), teve entre outras funções, assegurar os primeiros serviços rápidos de Lisboa – Santa Apolónia a Vila Nova de Gaia e o apoio na construção das linhas do Minho e do Douro, tratando-se assim de um símbolo nacional, regional e local”.

O objetivo da intervenção, salienta a autarquia “é assegurar a salvaguarda deste importante património nacional”.

Após o restauro, a “Andorinha” regressará a Vila Nova de Famalicão, ficando guardada e exposta para visita no Museu Ferroviário de Lousado, num novo espaço a ser criado e com temática também alusiva à freguesia de Nine, nomeadamente no contexto da ferrovia.

Antes da anunciada intervenção, será ainda possível ver a Andorinha na “Automobilia”, um evento nacional que decorre em Aveiro, de 17 a 19 de maio, e que se destaca pela “promoção, divulgação e preservação histórica dos meios de transporte, nas suas diferentes vertentes (rodoviários, ferroviários aéreos e marítimos)”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Mais antiga” locomotiva a vapor portuguesa vai ser restaurada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião