Costa afasta possibilidade de formar Governo com Bloco e PCP

António Costa afastou esta noite a possibilidade de formar Governo com o Bloco de Esquerda e com o PCP, mas admite abrir a geringonça ao PAN.

No rescaldo das Eleições Europeias, o primeiro-ministro afasta a possibilidade de formar Governo com o Bloco de Esquerda (BE) e com o PCP. Isto porque, explica, estes anos têm mostrado que existe o “suficiente para uma amizade, mas insuficiente para um casamento”. E se a amizade com os partidos à esquerda do PS é para manter, há ainda espaço para um novo elemento, com António Costa a admitir uma aproximação ao Partido Animais Natureza (PAN), uma possibilidade que já tinha sido reconhecida por André Silva.

Para António Costa, uma “das grandes qualidades” da solução política conhecida como geringonça, é o facto dos “quatro partidos que assinaram as posições conjuntas terem uma relação menos de competição e mais de complementaridade”. “A subida de qualquer um dos partidos não tem sido feito à custa dos outros partidos e tem havido no conjunto um reforço significativo”, afirmou o primeiro-ministro, em entrevista à SIC.

“Outra causa de sucesso desta solução governativa é que ninguém aqui teve de engolir sapos. Ninguém teve de aceitar o que era impossível de aceitar para se manter fiel aos seus princípios”, explicou ainda, frisando que nenhum dos partidos da geringonça foi obrigado a mudar o seu ADN: “Ninguém no BE ou no PCP teve de fazer cambalhotas deste género nem o PS, obviamente, se descaracterizou.”

Contudo, admitiu que “esta clareza de posições é muito saudável”, mas “também implica depois nas limitações sobre a intensidade da relação”. “Por isso é que eu costumo dizer que aquilo em que conseguimos convergir tem sido suficiente para uma muito boa amizade, mas insuficiente para podermos ter um casamento. Muitas vezes as pessoas dizem que não vale a pena estragar uma amizade por um namoro mal sucedido. E aqui também é um bocado assim”, afirmou.

Boa relação com o PAN “pode continuar e estreitar-se”

Uma mudança de cenário, com o PCP ou o BE a sentarem-se no Conselho de Ministros, obrigaria a “uma evolução tal das posições políticas que permitisse outro tipo de relacionamento”. “Não antevejo que nenhum dos partidos esteja disponível” para que seja possível outro entendimento político.

Nesse sentido, e questionado se vê o PAN como um futuro parceiro, o primeiro-ministro respondeu que “nada obsta no sentido contrário”. “Ao longo destes três anos e meio temos tido uma excelente relação com o PAN. Tenho ideia que o PAN nunca votou contra nenhum dos Orçamentos do Estado desta legislatura, e em alguns até creio que votou a favor. E, apesar de não termos nenhuma posição conjunta com o PAN, temos tido sempre negociações, designadamente em termos de matéria orçamental”. “Tem sido uma relação de grande proximidade e boa colaboração, que pode continuar e, naturalmente, estreitar-se”.

Esta possibilidade também foi admitida pelo próprio PAN. Esta segunda-feira, também em entrevista à SIC, André Silva admitiu que o partido está pronto para se colocar ao lado do PS. “Um partido político serve para ocupar uma posição de poder ou para influenciar o poder. E esse é o papel do PAN neste momento, como os portugueses têm visto ao longo destes quatro anos. E é aquilo que queremos continuar a fazer, com mais força e mais expressão. Influenciar quem está no poder, quem ganha as eleições… num registo de geringonça, nunca num registo de Governo“, disse.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa afasta possibilidade de formar Governo com Bloco e PCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião