Audições na comissão da Caixa terminam a 18 de junho com Teixeira dos Santos

Já está fechado o calendário das audições da comissão de inquérito à recapitalização e atos de gestão da Caixa. Teixeira dos Santos é o último a ir ao Parlamento, no dia 18 de junho.

Faria de Oliveira de manhã e Teixeira dos Santos à tarde. As audições da II comissão parlamentar de inquérito à recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e aos atos de gestão terminam no dia 18 de junho com o regresso do antigo presidente do banco público ao Parlamento e também com o antigo ministro das Finanças do Governo de José Sócrates.

Terá sido Teixeira dos Santos a escolher Armando Vara para a administração da Caixa Geral de Depósitos, segundo o seu antigo secretário de Estado Tesouro e Finanças (2005-2011). Carlos Costa Pina prestou depoimento na quarta-feira, durante quatro horas, nas instalações do Tribunal Central de Instrução Criminal, no âmbito da Operação Marquês, onde terá garantido que nunca viu nada de estranho nas decisões tomadas pelo antigo ministro das Finanças, avança esta quinta-feira o Diário de Notícias (acesso condicionado). Teixeira dos Santos é ouvido esta quinta-feira no âmbito da mesma operação judicial.

Ora, Armando Vara, que foi administrador da CGD e transitou para o BCP juntamente com Santos Ferreira em 2008, será ouvido no Parlamento a 14 de junho. A comissão de inquérito trouxe informação nova relativamente ao projeto de Vale do Lobo. Alexandre Santos, antigo diretor de empresas sul, revelou foi Armando Vara quem lhe enviou um e-mail com um dossiê preparado sobre aquele empreendimento turístico.

Os deputados da comissão de inquérito fecharam o calendário das últimas audições que visam apurar responsabilidades políticas face ao que aconteceu na CGD entre 2000 e 2015.

No dia 11 de junho deslocam-se ao Parlamento António Vieira Monteiro (atual chairman do Santander Totta) e ainda Filipe Pinhal (que foi administrador do BCP). Vieira Monteiro terá sido chamado por causa do seu envolvimento na contratação das chamadas Caravela Boats em 1999, que provocaram um rombo de 450 milhões de euros. Já Filipe Pinhal deverá ser interpelado por causa da guerra acionista no BCP e onde o banco público também teve participação ao financiar Joe Berardo e Manuel Fino na compra de ações.

A 17 de junho, os deputados vão inquirir José Cabral dos Santos, também antigo administrador do banco público.

A fechar, no dia 18 de junho, Faria de Oliveira regressa à comissão pelas 9h30, isto depois de já lá ter ido no início deste mês. Entretanto, os deputados já questionaram alguns dos grandes devedores, que colocaram em causa a gestão do atual presidente da Associação Portuguesa dos Bancos (APB) à frente da CGD entre 2008 e 2010. Faria de Oliveira já enviou, de resto, uma carta à comissão a explicar as decisões tomadas relativamente ao caso Berardo, que foi um dos devedores que criticou a gestão do banco. No mesmo dia à tarde é a vez de Teixeira dos Santos, antigo ministro do Governo de José Sócrates.

Além das audições parlamentares, há uma mão cheia de personalidades que vão responder por escrito aos deputados: Almerindo Marques, João Salgueiro, José Sócrates, a Comissão de ética do Banco de Portugal e Maldonado Gonelha (ainda a verificar).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Audições na comissão da Caixa terminam a 18 de junho com Teixeira dos Santos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião