Esperança média de vida volta a aumentar. Fosso entre homens e mulheres encolhe

De acordo com o INE, a esperança média de vida à nascença voltou a aumentar, fixando-se agora nos 80,80 anos. As mulheres continuam a poder esperar viver durante mais tempo.

A esperança média de vida voltou a aumentar, fixando-se nos 80,80 anos, avança o Instituto Nacional de Estatística (INE). “À nascença, os homens podem esperar viver 77,78 anos e as mulheres 83,43 anos, o que representa, relativamente aos valores estimados para 2015-2017, um acréscimo de 0,48 meses e 0,24 meses, respetivamente”, lê-se na nota, indicando-se assim uma atenuação da diferença entre géneros.

De acordo com o INE, na última década, a esperança média de vida à nascença dos portugueses aumentou 2,06 anos (2,29 anos para os homens e 1,62 anos para mulheres). “O acréscimo da esperança de vida à nascença das mulheres nos últimos dez anos resultou sobretudo da redução na mortalidade em idades iguais ou superiores a 60 anos. Nos homens, o aumento da esperança de vida à nascença foi maioritariamente proveniente da redução da mortalidade em idades inferiores a 60 anos, em particular entre os 35 anos e os 49 anos“, é explicado na nota divulgada esta manhã.

Esta sexta-feira, o INE confirmou também os dados provisórios da esperança média de vida aos 65 anos, que se fixou em 19,49 anos para ambos os géneros. Tal valor torna oficial a subida para 14,7% do fator de sustentabilidade aplicado às reformas antecipadas atribuídas em 2019 e deixa antever a evolução da idade normal de acesso à reforma, que se deverá manter nos 66 anos e cinco meses em 2020.

De notar que estão isentos do corte implicado no fator de sustentabilidade os beneficiários que se enquadrem no regime das muito longas carreiras contributivas (60 anos e 48 anos de descontos ou 60 anos e 46 anos de contribuições, tendo começado a trabalhar aos 16 anos) ou no novo regime de flexibilização de acesso à reforma (63 anos, se aos 60 já tivessem 40 anos de descontos; E a partir de outubro, 60 anos e 40 de contribuições).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Esperança média de vida volta a aumentar. Fosso entre homens e mulheres encolhe

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião