Revista de imprensa internacional

O fim do iTunes e os planos do Facebook para lançar uma criptomoeda são notícia na imprensa internacional esta segunda-feira. No plano da guerra comercial, a Huawei começa a vender ativos importantes.

Depois dos ataques do Presidente Trump, é tempo de vender ativos. A Huawei terá assinado um acordo para vender o negócio de cabos submarinos a outra companhia chinesa. No campo da tecnologia de consumo, a Apple deverá anunciar hoje o fim do iTunes. Estas e outras notícias estão em destaque na imprensa internacional.

Reuters

Huawei vai vender o negócio de cabos submarinos

“Apanhada” no meio da guerra comercial entre EUA e China, a chinesa Huawei tem planos para vender o negócio dos cabos submarinos, uma infraestrutura crítica e essencial ao funcionamento da internet. A empresa assinou um acordo para vender uma posição de 51% nesta infraestrutura a outra companhia de telecomunicações chinesa, a Hengtong Optic-Electric, que opera no negócio da fibra ótica. Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

Financial Times

Facebook já disse ao regulador que quer lançar uma moeda digital

A maior rede social do mundo está a levar a sério os planos para lançar uma “criptomoeda” que permita aos utilizadores fazerem pagamentos entre si e comprarem produtos nas principais aplicações do grupo, incluindo o WhatsApp e o Instagram. O último desenvolvimento é o início das conversações com um regulador norte-americano, que confirmou estar em “conversações muito preliminares” com responsáveis da empresa sobre a ideia de lançar uma moeda digital. O plano de Mark Zuckerberg deverá ser o de lançar uma stablecoin, que é uma criptomoeda cujo valor está intrinsecamente ligado ao valor de uma divisa real, como o dólar. Leia a notícia completa no Financial Times (acesso pago, conteúdo em inglês).

The Guardian

Adeus, iTunes

18 anos depois, a Apple deverá anunciar esta segunda-feira o encerramento do iTunes e o lançamento de três aplicações diferentes para música, podcasts e televisão. Outrora, o iTunes foi considerado como o possível salvador da indústria musical, numa era ainda anterior ao surgimento dos serviços de streaming de conteúdos, como o Spotify. A medida surge numa altura em que a Apple está a reposicionar o negócio para um foco maior nos conteúdos e serviços, em detrimento dos novos produtos, como o iPhone. A empresa promove esta segunda-feira mais uma conferência anual, a WWDC, dedicada aos programadores. Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre, conteúdo em inglês).

The Wall Street Journal

Não está fácil angariar 100 mil milhões de dólares

O multimilionário japonês Masayoshi Son quer criar um segundo fundo de 100 mil milhões de dólares para investir em novas tecnologias. Mas, desta vez, a tarefa não vai ser pera doce. O dono do SoftBank estará a encontrar sérias dificuldades no novo projeto, com os dois principais parceiros do fundo anterior a recusarem participar novamente numa aventura do mesmo género. As negas terão surgido do lado do fundo soberano da Arábia Saudita e de um fundo de pensões gigante com sede no Canadá, que aplicaram 45 mil milhões de dólares no primeiro fundo de tecnologia do SoftBank. Leia a notícia completa no The Wall Street Journal (acesso pago, conteúdo em inglês).

Bloomberg

Voar entre Sidney e Londres vai ser ainda pior do que parece

Se um voo de três horas dentro dentro da União Europeia já pode ser desconfortável q.b., a ligação aérea de 20 horas entre Sidney e Londres, que estará a ser planeada pela Qantas Airways, tem tudo para ser um pesadelo. No entanto, o conceito ficou ainda mais desagradável tendo em conta que a companhia aérea australiana abandonou o plano para incluir beliches, camas, um ginásio e uma creche nas aeronaves usadas na ligação. O conceito foi substituído por espaços mais amplos para esticar as pernas e beber água, disse o presidente executivo da empresa. Isto se o voo chegar alguma vez a descolar. Leia a notícia completa na Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião