BCP acelera 3,7% e dá segunda melhor sessão do ano à bolsa de Lisboa

Foi uma sessão de retoma na bolsa de Lisboa depois da queda acentuada da última sessão. As ações do BCP aceleraram mais de 3% e deram gás a Lisboa rumo à segunda melhor sessão do ano.

O BCP acelerou quase 4% e ajudou a bolsa de Lisboa a registar esta terça-feira a segunda melhor sessão do ano, tratando-se em ambos os casos de recuperações face às quedas acentuadas verificadas na sessão anterior.

O PSI-20, o principal índice português, somou 1,75% para 5.072,78 pontos. Melhor sessão do que esta, em 2019, só a do dia 4 de janeiro, quando a praça nacional somou mais de 2,8%.

Para este desempenho positivo contribuíram 15 cotadas portuguesas. Brilharam mais umas do que outras. Por exemplo, as ações do banco liderado por Miguel Maya fecharam com um avanço de 3,69% para euros. Foi uma das melhores performances por cá, com o BCP a ser superado apenas pela operadora de telecomunicações Nos que somou 3,75% para 5,675 euros.

Nota positiva também para a família EDP. A elétrica liderada por António Mexia ganhou 1,55% para 3,324 euros, no dia em que a Bloomberg adiantou que a China Three Gorges pretende avançar com uma fusão dos ativos no Brasil. A EDP Renováveis também foi à boleia e ganhou 1,01% para redondos 9,00 euros por ação.

“O BCP refletiu o bom desempenho do setor na Europa, nomeadamente das instituições financeiras italianas cuja performance beneficiou do facto do primeiro-ministro italiano ter afirmado que o seu país irá cumprir com as normas orçamentais europeias”, adiantaram os analistas do BPI no comentário de fecho.

Refletindo o bom momento no setor financeiro, o índice Stoxx Europe 600 Banks, que agrega os principais bancos no Velho Continente, ganhou quase 2%. Em Itália, com o principal índice de Milão a fechar com ganhos 1,79%, os bancos Unicredit e Intesa Sanpaolo somaram mais de 2%.

Noutras praças principais, o alemã Dax-30 ganhou 1,51% e o Cac-40 somou 0,51%.

(Notícia atualizada às 17h16)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP acelera 3,7% e dá segunda melhor sessão do ano à bolsa de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião