Natixis quer mais escolas próximas da tecnologia

  • Ricardo Vieira
  • 5 Junho 2019

Empresa promove ações junto de escola de Rio Tinto para dar a conhecer o mercado da tecnologia, uma forma de ajudar os mais novos a decidirem o percurso académico e profissional.

A Natixis celebrou um acordo com a Escola EB 2/3 de Rio Tinto para promover a inclusão no setor da tecnologia e está já a trabalhar em futuras parcerias com outras escolas do país. As ações da empresa inserem-se no Champion for Change, um programa que tem como objetivo a promoção da diversidade e a inclusão no setor da Tecnologia em Portugal.

“Estamos muito satisfeitos pela concretização desta parceria, que esperamos que seja uma inspiração para estas crianças e jovens. O nosso objetivo é proporcionar-lhes uma experiência enriquecedora na área tecnológica, que lhes permita conhecer um pouco melhor o que é feito no setor e que as ajude a tomar uma decisão quanto ao futuro académico e profissional”, destaca Nathalie Risacher, senior country manager da Natixis em Portugal.

No âmbito da parceria com a escola de Rio Tinto, a empresa vai desenvolver três atividades com os alunos. A primeira é a 4 de junho, com uma visita dos estudantes às instalações da Natixis, durante a qual os alunos vão poder acompanhar os colaboradores e assistir de perto ao trabalho por eles desenvolvido, bem como participar em desafios adequados ao seu nível de conhecimentos.

Para setembro, estão previstas outras duas atividades, onde a partilha de experiências e conhecimentos focados na área tecnológica assumirão destaque.

“A escola tem de possibilitar e permitir o desenvolvimento harmonioso de cada criança ou jovem, permitindo que cada um deles descubra e amplie as suas potencialidades. É essencial que todos sejam munidos de aprendizagens e experiências úteis à conquista dum espaço em constante mudança, passando pela incerteza dos empregos futuros, numa perspetiva de valorizar sempre a realização pessoal e a certeza de opções conscientes. A relação ensino/aprendizagem deve ser voltada para a construção do conhecimento de maneira dinâmica, contextualizada, compartilhada e deve envolver efetivamente a participação dos educandos e educadores num processo mútuo de troca de experiências”, afirma Cândida Guimarães, professora e membro do departamento de Projetos de Desenvolvimento Educacional.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Natixis quer mais escolas próximas da tecnologia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião