Natixis assina Carta Portuguesa para a Diversidade

  • Ricardo Vieira
  • 16 Maio 2019

A empresa tem projetos para promover a igualdade de género e para promover a diversidade e a inclusão.

A Natixis assinou a Carta Portuguesa para a Diversidade, um instrumento voluntário criado pela Comissão Europeia com o objetivo de encorajar os empregadores a implementar e desenvolver políticas e práticas internas de promoção da diversidade.

“Com a assinatura da Carta Portuguesa para a Diversidade, a Natixis dá mais um passo no caminho da construção de um local de trabalho mais rico e de uma sociedade mais justa”, afirma Nathalie Risacher, senior country manager da Natixis em Portugal, que acredita que “um ambiente de trabalho diverso e onde prolifera o respeito pelas diferenças do próximo é fulcral para o bom desempenho de uma empresa. Por isso, continuaremos a defender, a promover e a querer fazer parte deste tipo de iniciativas”.

A empresa explica ainda que, com a assinatura da Carta para a Diversidade, “a Natixis compromete-se a assumir, ao nível da gestão de topo e dos outros níveis hierárquicos da empresa, a criação de condições para a compreensão, o respeito e a promoção da diversidade por todas as pessoas, bem como a desenvolver uma cultura organizacional baseada no respeito mútuo e a promover iniciativas nesse sentido”.

No âmbito da igualdade de género, a Natixis tem promovido ações ao nível do recrutamento, assim como prestado apoio à Women in Natixis Network, rede internacional de mulheres que trabalham na organização, e em março assinou os Princípios do Empoderamento Feminino da Organização das Nações Unidas. Além disso, vai também integrar o projeto “Engenheiras por um dia”, iniciativa da Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, criada para combater os estereótipos de género nas opções escolares, formativas e profissionais.

Para promover a diversidade e a inclusão – de lembrar que a empresa tem oito nacionalidades entre os 550 colaboradores – no setor da tecnologia em Portugal, foi lançado o programa Champion for Change, com iniciativas ligadas à educação e informação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Natixis assina Carta Portuguesa para a Diversidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião