Capgemini avança com proposta de compra da Altran

A oferta da empresa de consultoria e tecnologia para comprar a Altran é descrita, pelas entidades, como "amigável" e atinge os 3,6 mil milhões de euros.

A multinacional francesa Capgemini avançou esta segunda-feira com uma proposta de compra da Altran, com uma oferta de 14 euros por cada ação, valor que foi “aprovado por unanimidade pelos conselhos de administração das duas empresas”.

A oferta, descrita como “amigável”, ascende a “3,6 mil milhões de euros, excluindo a dívida líquida (cerca de 1,4 mil milhões de euros)”, lê-se no comunicado da Capgemini. Segundo as estimativas da empresa de consultoria e tecnologia, caso esta operação venha a concretizar-se, deverá traduzir-se, em 2023, num aumento de 25% dos resultados por ação. No comunicado, a empresa fala em “gerar entre 200 milhões e 350 milhões de euros em receitas anuais adicionais”.

Por agora, a Capgemini avança que decorrem as negociações com a Altran, mas destaca, desde logo, que o acordo foi “recomendado” e “aprovado” pelos conselhos de administração das empresas, que têm ambas presença em terreno nacional.

“Esta combinação proposta permite à Capgemini assumir a liderança num segmento de mercado muito promissor. A complementaridade e o poder dos nossos conhecimentos combinados de negócios e tecnologia são ativos realmente notáveis”, disse Paul Hermelin, presidente e CEO do grupo Capgemini.

Também o presidente e CEO do grupo Altran, Dominique Cerutti, se mostrou confiante e favorável à operação. “Não há dúvida que a Capgemini é o parceiro ideal para construir um líder mundial na transformação digital. Esta operação criará valor para os nossos clientes e é uma excelente oportunidade para mostrar o talento de nossas equipas”, afirmou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Capgemini avança com proposta de compra da Altran

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião