PLMJ e VdA assessoram na oferta pública de subscrição de obrigações inaugural da TAP

As duas sociedades estiveram numa das mais relevantes operações de mercado de capitais deste ano, a prestar assessoria jurídica aos dois lados da oferta pública de obrigações da companhia aérea.

As sociedades de advogados VdA e PLMJ prestaram assessoria jurídica numa das mais relevantes operações de mercado de capitais realizadas este ano: de um lado a PLMJ assessorou a TAP e a TAP SGPS, enquanto a VdA assessorou o Haitong Bank, coordenador global da oferta, e os bancos colocadores Activo Bank, Banco Best, Banco Carregosa, Bankinter, Caixa BI, CCAM, Caixa Geral de Depósitos, Millennium BCP, Novo Banco na emissão de obrigações inaugural da TAP através de oferta pública de subscrição.

Esta foi a primeira emissão de obrigações para o mercado retalhista da companhia área. A emissão foi concluída com sucesso, com as Obrigações TAP 2019-2023 a ter um valor global de 200 milhões de euros, pagam uma taxa de juro bruta das fixada em 4,375% ao ano e têm um prazo de reembolso de quatro anos. Esta é a maior oferta pública de subscrição de obrigações realizada por um emitente corporate no mercado de capitais português desde 2012.

A operação contemplou um segmento destinado especificamente a investidores profissionais e contrapartes elegíveis e um segmento geral destinado aos investidores de retalho, no âmbito do qual foi criado um mecanismo inovador de subscrição preferencial por parte de trabalhadores e clientes do programa de fidelização “Miles & Go”.

A equipa da PLMJ foi coordenada por Bruno Ferreira e Raquel Azevedo, tendo integrado ainda os advogados Serena Cabrita Neto, Sara Lemos de Meneses, João Dias Lopes e Rita Romão.

A equipa da VdA foi coordenada pelos sócios da área de Bancário & Financeiro e Mercado de Capitais, Hugo Moredo Santos e Benedita Aires, incluiu o sócio Joaquim Pedro Lampreia e ainda os advogados Ricardo Seabra Moura, Soraia Ussene, José Miguel Carracho, Hugo Pinheiro Ferreira, David Cuba Topete e Beatriz Francisco Costa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PLMJ e VdA assessoram na oferta pública de subscrição de obrigações inaugural da TAP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião