Rosa Cullell vai deixar liderança da Media Capital. Saída deve ser formalizada na próxima semana

Rosa Cullell vai sair da liderança da dona da TVI, uma decisão que deverá ser oficializada até ao fim da próxima semana. Novo nome já está escolhido e pertence aos quadros do grupo.

Rosa Cullell, presidente executiva da Media Capital, pode estar de saída da liderança da empresa, segundo a Bloomberg.Henrique Casinhas/ECO

Rosa Cullell vai deixar a liderança da Media Capital, a empresa que detém a TVI. Salvo alterações de última hora, a mudança deverá ser oficializada em conselho de administração da Prisa e comunicada ao mercado até ao fim da próxima semana, apurou o ECO junto de fontes do setor. A informação sobre a saída “iminente” da gestora já tinha sido avançada pela Bloomberg, citada pelo Jornal de Negócios.

Escolhido está também o nome de quem vai substituir Rosa Cullell na liderança do maior grupo de media português. A transição tem vindo a ser preparada nos bastidores da Media Capital com uma pessoa que já pertence à empresa, uma informação avançada pelo Expresso e também confirmada pelas fontes ouvidas pelo ECO. Oficialmente, ninguém faz comentários. Contactada, Rosa Cullell respondeu: “Não vou comentar nada.”

Mas o ECO sabe que a decisão já estava tomada. Logo após o falhanço da venda da Media Capital à Altice, terá sido acordada entre Cullell e a Prisa a saída da gestora e apontada para abril deste ano, segundo uma fonte próxima do processo. No entanto, a guerra de audiências com a SIC levou a que a substituição fosse adiada até este mês.

Desde o início do ano que as audiências da Media Capital estão em queda. O primeiro semestre foi liderado pela SIC, a estação concorrente, detida pela Impresa. Neste período, a TVI ainda conseguiu liderar no horário nobre da televisão, que é o mais rentável, mas mesmo este estatuto foi retirado pela concorrência no mês de junho, período em que a SIC sagrou-se líder de audiências também no prime time.

(Notícia atualizada às 17h38 com mais informações obtidas pelo ECO)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rosa Cullell vai deixar liderança da Media Capital. Saída deve ser formalizada na próxima semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião