Conclusão do caso BES adiada outra vez. Ministério Público aguarda por cartas rogatórias da Suíça

Ministério Público decidiu prolongar o prazo de investigação ao designado processo Universo Espírito Santo. Procuradores aguardam pelo envio das cartas rogatórias pedidas à Suíça.

O Ministério Público tinha até esta segunda-feira para concluir o inquérito ao caso do Universo Espírito Santo, mas voltou a adiar o prazo da investigação em, pelo menos, mais três meses, ficando a aguardar pelo envio das cartas rogatórias da Suíça.

“O diretor do DCIAP decidiu fixar o prazo de três meses, contados a partir da devolução dos elementos probatórios em poder das autoridades suíças e apreendidos à ordem dos autos, para a conclusão do inquérito”, diz uma nota divulgada esta segunda-feira pelo gabinete de imprensa da Procuradoria-Geral da República.

Albano Pinto, diretor do DCIAP desde janeiro deste ano, considera que ainda não foi possível a “recolha de todos os elementos de prova indispensáveis a permitir concluir pela ocorrência ou não dos factos objeto do mesmo”.

“Não obstante as diligencias adequadas para esse efeito já se encontrarem há muito em execução, os seus resultados, ainda que na maioria já obtidos, o não estão na totalidade, atendendo designadamente ao facto de tal depender de cooperação judiciária internacional não integralmente satisfeita, pese embora as persistentes iniciativas desenvolvidas pelos magistrados titulares do inquérito”, refere a mesma nota.

O prazo para a conclusão do inquérito terminava esta segunda-feira, como tinha decidido o anterior diretor do DCIAP, Amadeu Guerra, no início do ano. No dia 3 de janeiro, aquando da extensão do prazo da investigação, Amadeu Guerra entendia que “elementos em falta relativamente à devolução das cartas rogatórias, nomeadamente da Suíça (…), mostravam-se imprescindíveis à apreciação objetiva e subjetiva da factualidade a que respeitavam”. Esses elementos (ou parte deles) ainda não chegaram a Lisboa, motivo pelo qual o prazo foi agora estendido.

O caso tem 41 arguidos. E tem por objeto a investigação das condições que determinaram a resolução do Banco Espírito Santo, a insolvência da Espírito Santo Internacional, da Rioforte, da ES Control, da ESFIL e da Espírito Santo Financial Group, no Luxemburgo, bem como da liquidação do Banque Privée Espírito Santo, na Suíça, a liquidação do ES Bank of Panama, no Panamá, e o ES Bankers Dubai, nos Emiratos Árabes Unidos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conclusão do caso BES adiada outra vez. Ministério Público aguarda por cartas rogatórias da Suíça

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião