Centeno vai à Baixa, Costa à Belavista. As sugestões do Governo para tirar o Cartão de Cidadão

Depois de Mário Centeno, foi agora a vez de António Costa deixar uma recomendação aos portugueses que precisam de renovar o Cartão do Cidadão. É uma Loja "menos conhecida".

Tirar, ou simplesmente renovar, o Cartão de Cidadão tem-se revelado uma verdadeira dor de cabeça para muitos portugueses, obrigados a enfrentar filas e mais filas. É um problema a que o Governo procura dar resposta, mas até que as medidas surtam efeito, os governantes vão dando algumas dicas. Primeiro foi Mário Centeno, agora é a vez de o próprio primeiro-ministro deixar a sua recomendação para que o processo seja menos penoso.

Em entrevista à Visão (acesso pago), quando questionado sobre se a data de validade do Cartão de Cidadão estava a caducar, António Costa disse não saber de cor, mas lembrou que precisou de renová-lo recentemente. “Tive de renová-lo em dezembro, quando mudei de casa”, disse o Chefe do Executivo que se mudou de Sintra para Benfica.

E onde é que Costa foi renovar o Cartão de Cidadão? “Na Loja do Cidadão da Belavista, onde recomendo que as pessoas vão”, atirou o primeiro-ministro, deixando mais uma alternativa para os portugueses além daquela que já tinha sido apresentada pelo ministro das Finanças.

Recentemente, em entrevista ao Público, Centeno revelou que a última vez que fez o Cartão de Cidadão foi na Rua Nova do Almada. “Há ali uma conservatória, que não tem muita gente…”, disse o ministro. Este serviço funciona, contudo, exclusivamente por marcação, daí não haver muita gente.

Costa diz que a Loja do Cidadão da Belavista, como “é menos conhecida, há menos pessoas”, daí que esta seja, na sua perspetiva, uma boa solução para quem está farto de enfrentar as longas filas para o fazer. Filas essas que levaram a um alargamento do horário de atendimento de duas conservatórias em Lisboa, isto enquanto a renovação automática do Cartão não é uma realidade.

Costa, tal como Centeno, evita a Loja do Cidadão das Laranjeiras. “Ao pé da minha casa [em Benfica] nunca iria, porque é onde toda a gente se concentra e acabamos por esperar mais”, diz à Visão, lembrando que na Belavista esperou “cerca de duas horas”, isto após uma viagem de autocarro que até foi parar ao Youtube.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno vai à Baixa, Costa à Belavista. As sugestões do Governo para tirar o Cartão de Cidadão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião