Novo presidente dos CTT corta nos motoristas e salários da administração

João Bento está determinado em mudar a estratégia da empresa. Não substituiu motoristas da administração que passaram à reforma e cortou salários dos gestores, a começar pelo próprio.

João Bento, o novo líder dos CTT CTT 1,66% , está determinado em apostar numa estratégia diferente da do seu antecessor, Francisco de Lacerda. Depois de ter anunciado no Parlamento que não só a empresa já não vai fechar mais balcões como irá reabrir alguns dos que fecharam, o gestor avançou com cortes na empresa… mas nas fileiras mais acima.

Um dos cortes foi nos motoristas ao serviço da administração. João Bento aproveitou a passagem de alguns dos motoristas à reforma para não os substituir. E o objetivo é mesmo o de acabar com esse benefício, apurou o ECO Insider.

Outro corte foi nos salários da administração — a começar pelo seu próprio salário. O objetivo é enviar um sinal aos acionistas e aos trabalhadores de que o plano de reestruturação está mesmo a ser implementado, mas não foi possível apurar o valor exato do corte. Contactada, fonte oficial da empresa não fez comentários.

O ECO Insider também sabe que estão a ser alinhavadas mudanças significativas no board da empresa para o próximo mandato, que será marcado pelo novo contrato de concessão do serviço postal universal. João Bento está a preparar mudanças na equipa executiva e também nos administradores não executivos para o próximo ano, mas, antes disso, deverá, já depois das eleições de outubro, iniciar as negociações do próximo contrato com o novo Governo.

As ações dos CTT estão a valer cerca de dois euros, o que avalia a empresa em cerca de 300 milhões de euros. Mas os títulos já estiveram acima dos dez euros e, só nas últimas 52 semanas, o valor da empresa caiu mais de 30%. Alguma coisa tinha de ser feita, a começar dentro de casa.

Evolução das ações dos CTT na bolsa de Lisboa

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo presidente dos CTT corta nos motoristas e salários da administração

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião