Neves de Almeida volta a avaliar práticas de RH em mais um índice de excelência

  • Ricardo Vieira
  • 16 Julho 2019

Estudo avalia as empresas com melhor clima organizacional e dá às empresas um insight sobre áreas fortes e a melhorar.

A consultora Neves de Almeida está a organizar mais uma edição do Índice da Excelência, um estudo que analisa as práticas de recursos humanos em Portugal e premeia as organizações que mais investem e apostam nesta área.

As organizações, podem inscrever-se gratuitamente no site da iniciativa e, até ao final do mês de novembro, parte dos colaboradores das empresas participantes devem participar com a resposta a questionários, ferramentas que servem para avaliar as práticas de RH.

O objetivo do estudo, como explica afirma Gonçalo de Salis Amaral, partner da Neves de Almeida, é “disponibilizar uma avaliação da dimensão complexa do capital humano em contexto organizacional e compreender a relevância para uma estratégia global. O fator X que identificamos difere de organização para organização, exigindo um processo de conhecimento e avaliação que se revela fundamental para perceber qual a mais-valia diferenciadora em cada organização e como a utilizar para potenciar a relação com os seus colaboradores”.

“Esta nova edição 2019 contempla melhorias e atualizações tanto no âmbito das questões abordadas como na respetiva apresentação e análise (reports) inseridas na lógica de melhoria contínua e de ajustamento à realidade e necessidades do mercado e do tecido económico”, acrescenta.

As conclusões do estudo, como explica a organização em comunicado, ajudam a “determinar quais as empresas que apresentam um melhor clima organizacional e que se destacam como entidades de excelência em Portugal, mas igualmente dar a cada empresa participante a oportunidade de obter informação relevante para a identificação de áreas fortes e de melhoria na gestão do seu ativo humano e os seus principais fatores de retenção”.

O Índice da Excelência vai premiar as organizações por setor de atividade e por categorias de dimensão, definidas por número de colaboradores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Neves de Almeida volta a avaliar práticas de RH em mais um índice de excelência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião