Apetro já tem em curso ações para mitigar impacto da greve dos motoristas

  • ECO
  • 26 Julho 2019

Melhorar canais de comunicação entre os vários envolvidos, privados e públicos, reorganizar escalas de enchimento das bombas e afinar processos estão entre as medidas que petrolíferas têm em curso.

As empresas petrolíferas já têm uma série de ações em curso para mitigar o impacto da greve de motoristas nos consumidores, revelou esta sexta-feira o secretário-geral da Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro), António Comprido, em declarações à RTP. As ações em curso, explicou, surgem na sequência das lições aprendidas durante a paralisação de abril último.

“As ações são para mitigar o impacto da greve nos consumidores em geral. Passa sobretudo por aprender com o que aconteceu na última greve, ou seja melhorar os canais de comunicação entre os vários intervenientes, como as estações de enchimento e carga, as empresas de transporte, as petrolíferas e também com as entidades que estarão no terreno, sejam as forças policiais, sejam os representantes do Governo”, detalhou ao canal público de televisão.

O representante das empresas petrolíferas acrescentou que além das ações que a Apetro, como associação pode tomar, há também outras medidas que cada uma das empresas pode tomar individualmente e/ou com os seus clientes. “Cada uma das empresas está a tentar fazer o planeamento de abastecimentos de forma a antecipar, dentro do possível, a greve, para que a atravesse da melhor forma possível”, explicou António Comprido. Além disso, há também processos que estão a ser “afinados” com o intuito de mitigar os efeitos da paralisação, mas não mais do que isso.

“Não vamos interferir diretamente na greve, respeitamos o direito à greve. Mas queremos, tanto quanto for possível, que o impacto nas pessoas, privadas ou coletivas, seja o menor possível“, disse à RTP.

Em relação ao lançamento da Rede Estratégica de Postos de Abastecimento, o secretário-geral da Apetro enalteceu a medida, mas recordou que também esta é de efeitos limitados. “A rede cobre o território nacional todo. Temos cerca de três mil postos de abastecimento no país, logo a rede é de cerca de 12% dos postos, bastante inferior ao que é normal”, disse. Mas lembrou que outras bombas de gasolina continuarão a ter combustível.

“A greve não significa que outros postos não possam ser abastecidos, tudo depende dos serviços mínimos que vierem a ser decretados, que níveis terão, o que vão abranger e da capacidade de os operacionalizar. É tudo uma incógnita ainda, mas quando começar a greve vamos acompanhar de perto e perceber como está a correr“, concluiu.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apetro já tem em curso ações para mitigar impacto da greve dos motoristas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião