Um IPO e 1.000 milhões de dólares de prejuízos depois, Uber despede 400 trabalhadores da equipa de marketing

A Uber vai despedir quase um terço dos trabalhadores da equipa de marketing a nível mundial. Quer reduzir os prejuízos multimilionários, depois de ter perdido 1.000 milhões em três meses.

A Uber vai despedir cerca de 400 trabalhadores da equipa de marketing, uma medida que tem como objetivo reduzir as despesas da empresa. A notícia foi avançada pelo The New York Times (acesso condicionado), que refere que a decisão foi comunicada internamente esta segunda-feira.

A decisão abrange 75 escritórios da Uber em todo o mundo, de acordo com o jornal. Atualmente, a empresa emprega 1.200 pessoas na equipa de marketing. Ou seja, o lay-off abrange quase um terço destes funcionários a nível mundial.

O ECO tentou saber se a Uber Portugal também vai ser afetada, mas fonte oficial da empresa remeteu para a reação internacional: “Anunciámos recentemente mudanças significativas na estrutura e tamanho da nossa equipa de marketing. Enquanto isso requereu algumas decisões muito difíceis, estamos confiantes de que estas mudanças vão abrir terreno para um impacto maior e uma narrativa de marca mais consistente ao longo das nossas audiências, produtos e regiões”, indica o comunicado.

Esta é forma encontrada pelo presidente executivo, Dara Khosrowshahi, para tentar melhorar as contas da Uber, depois de, em maio, ter revelado prejuízos de mil milhões de dólares no primeiro trimestre. Foi a primeira vez que a empresa prestou contas desde que entrou em Wall Street.

(Notícia atualizada às 22h06 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um IPO e 1.000 milhões de dólares de prejuízos depois, Uber despede 400 trabalhadores da equipa de marketing

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião