Falta de mão-de-obra? Portugal precisa de imigrantes, diz Bloomberg

Portugal captou a atenção de vários estrangeiros, até de Madonna, como um bom país para se viver. Mas os empresários alertam para a necessidade de atrair também mão-de-obra qualificada.

“A Madonna é bem-vinda, mas Portugal quer imigrantes para estimular a economia”, escreve o jornal norte-americano Bloomberg (acesso condicionado/conteúdo em inglês). A necessidade de atrair profissionais qualificados já chegou à imprensa estrangeira, que nota que são vários os exemplos de famosos que escolheram comprar casa no país, uma tendência que não resolve, no entanto, as dificuldades.

O país precisa de “atrair imigrantes qualificados para as necessidades da economia portuguesa”, apontou Jorge Bravo, professor de economia da Universidade Nova de Lisboa, à agência noticiosa norte-americana. Alertas que foram também feitos por empresários, nomeadamente do setor hoteleiro, como foi o caso do CEO do Grupo Pestana. “É urgente introduzir melhorias substanciais nas políticas para receber trabalhadores estrangeiros”, adiantou José Theotónio.

A dificuldade em encontrar profissionais para contratar é um problema que está no caminho de algumas empresas portuguesas, e a solução poderá estar na imigração. Já no ano passado, o coordenador do Observatório da Emigração defendia que Portugal “precisa desesperadamente” de imigrantes e que deve facilitar a entrada de estrangeiros e fazer campanhas de recrutamento no exterior.

O Banco de Portugal também notou, num relatório em junho, as dificuldades das empresas portuguesas em contratarem trabalhadores, “particularmente aqueles com qualificações mais elevadas”. Para além desta dimensão, o envelhecimento da população portuguesa é uma tendência que poderia ser atenuada com a entrada de pessoas no país.

O número de imigrantes no país aumentou no ano passado, mas nem todos vêm trabalhar e são vários os estrangeiros que escolhem Portugal para passar a reforma. Estes, apesar de estimularem alguns setores, nomeadamente relacionados com o turismo, “não são a solução”, argumentou Jorge Bravo.

Tendo em conta este cenário, as políticas para atrair imigrantes, bem como os portugueses que saíram, poderão ser um dos elementos da campanha para as eleições que se realizam em outubro, antecipa a publicação. Neste ano, o Governo avançou já com um programa de apoio ao regresso dos emigrantes, que prevê a entrega de cheques até 6.500 euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Falta de mão-de-obra? Portugal precisa de imigrantes, diz Bloomberg

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião