Greve dos combustíveis: Veja aqui a rede de postos onde pode abastecer

A poucos dias de arrancar a greve dos motoristas de matérias perigosas, o Governo já tem definidos os serviços mínimos. Foi ainda criada a rede dos postos de emergência onde poderá abastecer.

A cerca de quatro dias de arrancar a greve dos motoristas de matérias perigosas, que promete paralisar o país, já está criada a Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), que pretende dar resposta às carências que possam surgir. Ao todo são 374 postos, limitados a 15 litros de combustível por pessoa, disse o ministro do Ambiente e da Transição Energética. Conheça aqui a rede de postos onde poderá abastecer.

“A REPA irá funcionar com 54 postos prioritários e 320 postos para utilizadores comuns, ainda que com local específico para veículos prioritários. A rede entrará em funcionamento à meia-noite do dia 12, mas a preparação e divulgação da rede começará antes”, explicou João Pedro Matos Fernandes. Em todos os postos de combustível do país serão afixadas as localizações das bombas REPA, adiantou.

Nos 374 postos de emergência que compõem a REPA, haverá um limite de abastecimento de 15 litros por pessoa, contrariamente aos restantes, que não terão nenhuma limitação. “É do bom senso. Nos postos da REPA nós garantimos o abastecimento”, disse o ministro. Em termos de localização, a região do Algarve terá mais postos do que seria normal: 22 contra os os oito previstos na rede montada na greve de abril.

O Governo definiu que os motoristas dos sindicatos independentes terão de assegurar entre 50% e 75% de serviços mínimos, dependendo do tipo de mercadorias em questão.

A REPA alarga-se ainda às ilhas. No arquipélago dos Açores haverá 12 postos de emergência — dos quais três na ilha de S. Miguel — e no arquipélago da Madeira serão seis.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Greve dos combustíveis: Veja aqui a rede de postos onde pode abastecer

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião