Governo alertado para possível bloqueio da ponte 25 de Abril no dia do arranque da greve dos motoristas

Alerta chegou esta terça-feira. O movimento dos coletes amarelos vai juntar-se ao protesto dos motoristas. O objetivo é fazerem uma marcha lenta na ponte 25 de abril e na A1 e uma manif no Parlamento.

O Governo foi alertado esta terça-feira para a possibilidade de, no dia 12 de agosto, além da greve dos motoristas, o país ser confrontado com um bloqueio da ponte 25 de Abril e uma marcha lenta nas autoestradas que ligam Lisboa ao Porto (A1) e Lisboa ao Algarve (A2), soube o ECO. Uma ação conjunta dos motoristas de matérias perigosas e do movimento dos coletes amarelos.

O aviso foi dado na manhã de terça-feira na reunião semanal do Centro de Coordenação Operacional Nacional, que decorreu na Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), em Carnaxide.

Nas redes sociais, o movimento dos coletes amarelos já deu as coordenadas para a ação de protesto. Os pontos de encontro são no McDonald’s de Corroios e no Parque Intermodal Malveira às oito da manhã para iniciar a marcha lenta às 9h30 e chegar à Assembleia da República às 11 da manhã de segunda-feira.

Os posts do movimento têm sido frequentemente atualizados e sempre a apelar à adesão de todos para “reforçar a greve dos camionistas”, “por melhores condições de trabalho” para os bombeiros, “em protesto contra a corrupção nacional” e ainda “contra o aumento do preço dos combustíveis”.

Os sindicatos, que avançaram com um pré-aviso de greve, criticaram fortemente a decisão do Executivo em avançar com serviços mínimos que oscilam entre os 50% e os 100% (para hospitais, Proteção Civil e aeroportos, por exemplo). Ambos optaram por impugnar judicialmente esta decisão, e os motoristas de matérias perigosas vão avaliar junto dos sócios o cumprimento ou não dos serviços mínimos decretados.

A questão é que, nas palavras de Pardal Henriques, vice-presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), “cumprir os serviços mínimos é possível se não houver greve”. Em reação às medidas anunciadas pelo Governo, o advogado frisou que se está perante “uma ditadura do tudo posso” e que a “greve é só de nome”. Questionado se os serviços mínimos decretados são uma anulação da greve, Pardal Henriques foi veemente: “Obviamente”.

Perante o grau de exigência destes serviços é expectável que os efeitos da greve sejam muito menores face ao antecipado pelos sindicatos de motoristas. Com base no antecedente da greve de abril, o Governo não arrisca que a greve possa, de facto, parar o país, tendo em conta que os portugueses estão, na sua maioria, em férias e, a agricultura, por exemplo, está em época de colheitas de muitas culturas.

Marcelo Rebelo de Sousa alertou os motoristas para os riscos de a forma de luta escolhida ser excessiva e que isso possa gerar incompreensão junto dos portugueses. O direito à greve está previsto na Constituição, lembrou o Chefe de Estado, mas para “que esse direito seja eficaz deve utilizar os meios mais adequados para que os fins tenham sucesso”. “Não basta que os fins sejam legítimos, é preciso que os meios não venham prejudicar os fins”, frisou.

A bola está agora do lado dos sindicatos: manter a greve, voltar à mesa das negociações, ou simplesmente desconvocar a greve, dada a dimensão dos serviços mínimos decretados. O Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias (SIMM) tem uma reunião agendada para esta quinta-feira para avançar para os tribunais, uma opção que acabou também por ser escolhida pelo SNMMP, segundo avançou a RTP. Os motoristas das matérias perigosas têm um plenário no sábado — inicialmente previsto para analisar as contrapropostas que os patrões (a Antram) viessem a fazer ao conjunto de quatro a cinco pontos que para o sindicatos eram indispensáveis para desconvocar a greve, mas perante as declarações de Pardal Henriques é possível que a estrutura sindical marque um reunião extraordinária antes.

Comentários ({{ total }})

Governo alertado para possível bloqueio da ponte 25 de Abril no dia do arranque da greve dos motoristas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião