Farfetch multiplica prejuízos e ações afundam 39%

A plataforma eletrónica de artigos de luxo liderada pelo português José Neves anunciou a compra da New Guards, no final de um período em que viu os prejuízos crescerem 406,9%.

A Farfetch anunciou esta quinta-feira, após o fecho do mercado norte-americano, os resultados do segundo trimestre do ano e a compra da New Guards, mas os números foram mal recebidos pelos investidores. Com prejuízos cinco vezes maior do que os registados há um ano, as ações já estiveram a cair mais de 40% no mercado “after hours”. A queda fica agora pelos 39%.

A plataforma eletrónica luso-britânico de artigos de luxo fechou o segundo trimestre do ano com prejuízos de 89,6 milhões de dólares (80 milhões de euros), valor que representa um crescimento de 406,9% face às perdas registadas em igual período do ano passado, altura em que o resultado foi negativo em 17,6 milhões de dólares. Apesar das perdas, estas representam um desacelerar dos prejuízos face ao primeiro trimestre do ano, altura em que o resultado foi negativo em 109 milhões de dólares.

Em sentido contrário esteve o volume de negócios (Gross Merchandise Value), que atingiu um valor recorde no segundo trimestre: 488 milhões de dólares (435 milhões de euros), mais 44% do que no período homólogo. Já as receitas foram de 209 milhões de dólares (186 milhões de euros), acima dos 174 milhões obtidos no primeiro trimestre.

“Os prejuízos foram em grande parte resultado da subida anual dos prejuízos operacionais, que passaram de 36,8 milhões de dólares para 95,8 milhões, parcialmente causados pela redução nas perdas cambiais não realizadas sobre a reavaliação de contas a receber e a pagar em dólares não americanos. A nossa exposição aos ganhos e perdas cambiais estrangeiros diminuíram após uma alteração na moeda funcional da nossa entidade legal principal, a Farfetch UK Limited — da libra esterlina para dólares americanos, a 1 de janeiro de 2019″, escreve a empresa no comunicado.

Já o crescimento do volume de negócios é justificado com o crescimento de 55,7% do número de consumidores que fazem compras na plataforma, que chegaram aos 1,8 milhões de pessoas. Mesma evolução teve o número médio de pedidos por consumidor ativo.

Apesar dos prejuízos, José Neves, presidente da Farfetch mostra-se satisfeito com os resultados. “À medida que se avizinha o primeiro aniversário enquanto empresa pública [o IPO foi a 21 de setembro de 2018], estou encantado com o progresso que fizemos na execução da nossa visão para o segundo capítulo — construir uma plataforma global que vai ficar com a fatia de leão do crescimento de 100 mil milhões que é esperado para a indústria online do luxo”, escreve o gestor em comunicado.

A divulgação dos resultados acontece no mesmo dia, em que a empresa luso-britânica anunciou a aquisição da New Guards, plataforma de marcas com a Off-White, Palm Angels, Marcelo Burlon County of Milan, Heron Preston, Alanui, Unravel Project e Kirin Peggy Gou. De acordo com José Neves esta operação, avaliada em 675 milhões de dólares, permite à Farfetch posicionar-se “de forma única para capacitar criadores, curadores e consumidores e ajudar a preservar” os valores do grupo.

(Notícia atualizada com informação sobre cotações às 9H20)

Comentários ({{ total }})

Farfetch multiplica prejuízos e ações afundam 39%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião