Já há mais de 280 postos sem gasóleo e 100 sem gasolina. Mais de 50 estão completamente esgotados

Já há mais de 50 postos de combustível onde não é possível abastecer. Contudo, há centenas de outras bombas com falhas parciais no abastecimento.

A greve dos motoristas de matérias perigosas ainda não arrancou, mas os efeitos já se começam a fazer sentir. Em todo o país, já há mais de 50 bombas completamente sem combustível, mas há muitas mais com falhas parciais de abastecimento. De acordo com os dados da plataforma #JáNãoDáParaAbastecer, às 14h30 desta sexta-feira há mais de 280 postos sem gasóleo e 100 sem gasolina.

Os números crescem a cada minuto que passa. Por exemplo, a norte, em Ovar, são duas as bombas onde já não é possível abastecer: a BP de Esmoriz e a Cepsa, no centro da cidade. Mais abaixo, na Figueira da Foz, também a BP perto da estação de comboios não permite abastecer gasolina nem gasóleo. O mesmo acontece com o Intermarché de Maceira, perto de Leiria.

Mais a sul, na zona de Lisboa, contam-se sete postos esgotados: a Galp de Alverca do Ribatejo, a BP da Reboleira, a Galp de Massamá Sul, a BP de Belém, a BP de Campolide, a Galp de Carcavelos e a Galp do Estoril (REPA). Esta última faz parte da rede de 374 postos que o Governo inscreveu na Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA).

Do outro lado do rio Tejo, o Jumbo do Feijó (posto REPA), em Almada, e a BP da Estrada dos Ciprestes e a Repsol de Monte Belo, ambas em Setúbal, também já não permitem abastecer com gasolina nem com gasóleo. Mais abaixo, no concelho de Odemira, contam-se mais duas bombas esgotadas: a Cepsa e a Galp de São Teotónio, esta última também inscrita na REPA.

No Algarve, onde se espera um impacto ainda maior desta paralisação devido às férias, há cinco postos: a BP de Faro, a BP de Boliqueime, a Repsol de Montechoro, em Albufeira, a BP do Alto do Quintão, em Portimão e a BP de Monchique.

Embora sejam apenas 50 os postos onde já não é possível abastecer, há dezenas de outros com falhas de algum tipo de combustível. São 100 as bombas onde já não há gasolina e mais de 280 onde não há gasóleo.

Importa sublinhar que a informação está constantemente a ser atualizada, pelo que a informação pode nem sempre corresponder à realidade. Como explicou a plataforma ao ECO, reabastecimentos que vão sendo feitos e não são imediatamente comunicados podem levar a dados desatualizados.

Para tentar aumentar o grau de eficácia da plataforma, os fundadores convidaram as marcas a criar parceiras, para permitir atualizações mais rápidas, mas estes recusaram, contaram ao ECO. Posto isto, a informação disponibilizada depende apenas dos dados fornecidos pelos portugueses.

Esta sexta-feira, a Prio anunciou a criação de uma ferramenta que permite, através da app e do site da empresa, ver os combustíveis disponíveis em cada postos de abastecimento da Prio.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já há mais de 280 postos sem gasóleo e 100 sem gasolina. Mais de 50 estão completamente esgotados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião