Motoristas não cedem. Greve arranca segunda-feira

Motoristas de matérias perigosas recusam desconvocar a greve. Paralisação mantém-se para segunda feira.

Pedro Pardal Henriques, porta-voz do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas, garante que a greve avança esta segunda-feira. Numa conferência de imprensa esta quinta-feira, o responsável reiterou que a greve não vai ser desconvocada.

“Quando assistimos a esta aliança clara contra os direitos democráticos de todos os portugueses, a luta é desigual“, disse o vice-presidente daquele sindicato. Para logo de seguida salientar que “os responsáveis pelas filas que hoje se verificam para o abastecimento, e os transtornos que os portugueses terão, só podem ser imputados à Antram e ao Governo, pois teimam em não cumprir a lei”, e que em causa está um “atentado aos direitos dos motoristas e dos portugueses.

Para Pardal Henriques os moldes dos serviços mínimos definidos pelo Governo para a greve que arranca na segunda-feira — que oscilam entre 50% e 100% — é “uma declaração contra a democracia”. “Ao serem fixados serviços máximos, o Governo declarou que esses motoristas e os direitos protegidos constitucionalmente não têm qualquer importância“, acrescentou, acrescentando que “o que aconteceu a estes motoristas pode acontecer a todos os portugueses e a todos os trabalhadores”.

O representante dos motoristas de matérias perigosas sublinhou ainda que “os objetivos dos motoristas são justos”, e que “os meios de exercer o direito à greve são totalmente legítimos e devem ser defendidos por todos os portugueses”, sinalizando assim que a greve não será desconvocada.

Pardal Henriques sublinhou que os trabalhadores continuam a ganhar “ordenados miseráveis” quando os seus congéneres europeus ganham muitos mais e têm que cumprir “horários de trabalho duros”. Lembrou ainda que os motoristas das matérias perigosas auferem “muito perto do salário mínimo”, um ordenado com o qual é “impossível viver com dignidade”.

Voltou ainda a reforçar que “a definição de serviços mínimos generalizados constitui de facto a anulação do direito à greve“, algo que “está a ser violentamente atacado como nunca o foi até hoje”. No entanto, o Conselho Consultivo da Procuradoria-Geral da República (PGR) parece ter um entendimento diferente. No parecer solicitado pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, e que foi entregue esta quinta-feira, é dada luz verde para o Governo decretar a requisição civil preventiva antes da greve ter início e para o Executivo adotar mais medidas que mitiguem os efeitos da greve, de acordo com a SIC. No entanto, o Conselho defende que não tem elementos suficientes para avaliar a legalidade da greve dos motoristas, tal como foi solicitado pelo Governo.

(Notícia atualizada às 21h00)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Motoristas não cedem. Greve arranca segunda-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião