PGR diz que Governo pode recorrer à requisição civil preventiva na greve dos motoristas

A Procuradoria Geral da República já entregou ao Ministério do Trabalho o seu parecer. Mas não tem elementos suficientes para avaliar a legalidade da greve dos motoristas.

A Procuradoria-Geral da República já entregou ao Ministério do Trabalho o seu parecer sobre a legalidade da greve dos motoristas agendada para dia 12 de agosto. De acordo com a SIC, o parecer do Conselho Consultivo defende que o Governo pode decretar a requisição civil preventiva, mas diz não ter elementos suficientes para avaliar a legalidade da greve.

O Conselho Consultivo considera que o Governo pode decretar a requisição civil preventiva antes mesmo de esta avançar, para esvaziar o impacto da greve, abrindo a porta a serviços mínimos de grande extensão, avançou a SIC, tendo em conta que os efeitos esperados em setores tão sensíveis. Foi essa aliás a opção do Governo que faz os serviços mínimos oscilar entre 50 e 100%. O Governo pode também adotar outras medidas de caráter preventivo, como por exemplo, decretar o alerta energético.

No entanto, a PGR defende que não tem elementos suficientes para avaliar a legalidade da greve dos motoristas. O Governo já recebeu o parecer do Conselho Consultivo da PGR, confirmaram as televisões, mas como o documento é denso e extenso, os juristas que apoiam o Executivo vão necessitar de algum tempo para o analisar e prevê-se que esse trabalho só esteja concluído na sexta-feira.

“O Ministério do Trabalho já recebeu o parecer da PGR que será devidamente analisado”, disse apenas fonte oficial do gabinete de Vieira da Silva, citada pela Lusa.

“O parecer foi transmitido à entidade consulente, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social”, confirmou ao ECO, horas antes, fonte oficial da Procuradoria-Geral da República.

O parecer foi transmitido à entidade consulente, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Fonte oficial da PGR

De acordo com as regras do Ministério Público, a PGR envia o parecer à entidade que o requereu, mas não o divulga. Essa decisão cabe a quem o pediu, ou seja, neste caso o ministério liderado por Vieira da Silva. Por exemplo, quando o Executivo pediu ao Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República para se pronunciar sobre a legalidade da greve dos enfermeiros no final do ano passado, esse parecer acabou por só ser conhecido 81 dias depois.

Este parecer além de definir, de forma não vinculativa, se a greve é legal também se pronuncia sobre os limites que o Governo pode impor em termos de serviços mínimos a adotar na greve, segundo avançou o Dinheiro Vivo. O que motivou o Governo a pedir este parecer foi o facto de a greve ter sido convocada por tempo indeterminado. Aliás, esse foi um ponto abundantemente frisado pelo Executivo na conferência de imprensa de quarta-feira na qual foram decretados os serviços mínimos. Serviços considerados pelos sindicatos excessivososcilaram entre 50 e 100% –, mas justificados pelo Governo precisamente porque a greve não tem um horizonte temporal definido.

(Notícia atualizada às 20h11)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PGR diz que Governo pode recorrer à requisição civil preventiva na greve dos motoristas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião