‘Happy hour’ dentro da empresa? É possível e é grátis

A campanha "Monkey Shoulder", promovida pela agência de publicidade The Hotel, promete levar a 'happy hour' até à sua empresa. Não tem custos e só precisa de convencer o seu chefe.

Já imaginou não precisar de sair da empresa para desfrutar da happy hour depois do trabalho? A campanha “Hello Monkey – Work for the After Work” promete levar este momento diretamente para a sua empresa e a custo zero. O evento pode durar até três horas e inclui dois bartenders e um momento de degustação de cocktails ao som de música dos anos 90. Para isso, só precisa de convencer 50 colegas e o seu chefe.

A inscrição pode ser feita no site oficial da Monkey Shoulder, até cinco dias úteis antes o dia pretendida para o evento. Concluída a inscrição, só tem de escolher a melhor data e aguardar o contacto por parte da agência, que tratará de todos os pormenores. Os ingredientes da happy hour estão concentrados num pequeno trolley, acompanhados por dois especialistas em cocktails, e música.

“O princípio desta ideia foi, na verdade, juntar os ingredientes certos. A Monkey Shoulder quer dar a provar a sua bebida. E uma bebida à borla depois do trabalho, toda a gente quer. E se os dois querem, os dois dançam. Em vez de uma abordagem unicamente corporativa, em que a marca procura locais para degustação, pusemos o consumidor a chamar pela marca. Com um kit de desculpas e argumentos para apresentarem aos seus chefes, qualquer trabalhador pode tentar levar uma festa after-work MonkeyShoulder para a sua empresa”, sublinha Mafalda Quintela, diretora criativa da agência The Hotel.

Para o ajudar a “convencer o chefe”, a agência The Hotel sugere um kit de argumentos, disponível na página oficial de Facebook da Hello Monkey, par ao ajudar a convencer a chefia e os colegas.

A campanha arrancou em setembro e vai decorrer até ao fim do ano.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

‘Happy hour’ dentro da empresa? É possível e é grátis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião