Tribunal escocês considera que suspensão do Parlamento é “ilegal”

  • ECO
  • 11 Setembro 2019

O acórdão do tribunal escocês refere que a suspensão é “contrária à lei” e, por isso, considera que deve ficar “sem efeito”. No entanto, decisão é para manter até decisão do Tribunal Supremo.

Mais um passo atrás para Boris Johnson. Um tribunal da Escócia deu razão aos 75 deputados e considerou “ilegal” a decisão tomada pelo primeiro-ministro britânico de suspender o Parlamento antes do prazo para o Brexit, a 31 de outubro. No entanto, a suspensão do Parlamento é para continuar, pelo menos até à próxima semana.

A decisão do Court of Session — a mais alta instância judicial civil na Escócia — contraria uma decisão anterior do mesmo tribunal, mas em primeira instância, que referia que os tribunais não tinham o poder de interferir na decisão política do primeiro-ministro de suspender o Parlamento. Segundo o acórdão, o tribunal tem competência para decidir estes casos e a suspensão é “contrária à lei” e, por isso, deve ficar “sem efeito”.

O tribunal irá publicar uma ordem a declarar que o conselho do primeiro-ministro a Sua Majestade a Rainha, e a prorrogação [suspensão] que se seguiu, foi contrário à lei e, por isso, é nulo e não tem efeito”, cita oTheGuardian. O Governo já anunciou que vai recorrer desta decisão.

O coletivo dos três juízes, presididos por Lord Carloway, o juiz mais importante da Escócia, acrescenta ainda que a ordem de suspensão foi motivada por uma “intenção imprópria de bloquear o Parlamento”. Perante a nova decisão, já há reações por parte do Partido Trabalhista e do Partido Nacional Escocês.

Ian Murray, dos Labours, refere que o acórdão do Court of Session demonstra que a decisão do primeiro-ministro de pedir à rainha para suspender o parlamento não eram “razões reais”, mas apenas para forçar a uma saída sem acordo.

Por outro lado, o líder do Partido Nacional Escocês em Westminster, Ian Blackford, assinala as “boas notícias” para todos os envolvidos, criticando o líder do Partido Conservador por agir de uma “maneira anti-democrata” e considera que o primeiro-ministro deve explicações ao Parlamento.

Está é a primeira derrota de Boris Johnson perante as três ações apresentas dos 75 deputados da Câmara dos Lordes e da Câmara dos Comuns. O Tribunal Superior de Londres já tinha recusado o pedido de cancelamento da suspensão do parlamento britânico e há ainda uma terceira apreciação a ser analisada no tribunal de Belfast, Irlanda. Por isso, o Supremo agendou uma audiência para 17 de setembro, sendo que se nada se alterar o Parlamento estará suspenso até 14 de outubro.

No entanto, apesar deste volte-face, esta quarta-feira foi divulgada uma sondagem da Kantar que dá uma clara vantagem ao Partido Conservador, em caso de eleições antecipadas. De acordo com os dados divulgados e citados pela Reuters, 38% dos britânicos inquiridos apoiam Boris Johnson, enquanto apenas 24% apoiam o Partido Trabalhista e e 20% estão ao lado dos Liberais Democratas.

A mesma sondagem avaliou ainda a forma como os britânicos reagiriam caso houvesse um novo referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) e, desta vez, o “não” ganhava: 37% dos inquiridos preferiam ficar na UE, 34% preferiam sair e 18% referiu que não votaria num novo referendo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tribunal escocês considera que suspensão do Parlamento é “ilegal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião