CMVM quer combater afastamento de auditores de contas que destacam fragilidades

  • Lusa
  • 12 Setembro 2019

A CMVM pretende combater o comportamento das empresas relativamente ao desfavorecimento ou afastamento dos auditores e exige mais transparência aferição da idoneidade dos auditores de contas.

A presidente da CMVM, Gabriela Figueiredo Dias, apelou esta quinta-feira ao combate a comportamentos das empresas de desfavorecimento ou afastamento dos auditores que destacam fragilidades ou irregularidades nos seus relatórios finais ou na interação com a empresa.

Na abertura do XIII Congresso dos ROC – revisores oficiais de contas, em Lisboa, a presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) disse que, relativamente às empresas, “é fundamental combater comportamentos de desfavorecimento ou afastamento” dos auditores que destacam, na sua interação com a empresa ou nos seus relatórios finais, fragilidades ou irregularidades, através, por exemplo, da inclusão de ênfases ou reservas.

E admitiu: “Sabemos, sem surpresa, mas com grande preocupação, que esta é uma tendência real, que agrava os riscos de dependência económica e de menor objetividade, reduz a qualidade da auditoria e subverte o propósito de geração de confiança e criação de valor da função dos auditores”.

Ainda este ano, a CMVM tem como prioridade, segundo disse a presidente, conseguir um modelo “mais robusto, consistente, transparente e eficiente” de aferição da idoneidade dos auditores de contas, embora Gabriela Figueiredo Dias tenha admitido tratar-se de um “caminho relevante a percorrer”.

Os quase quatro anos de controlo de qualidade exercido pela CMVM sobre auditores de entidades de interesse público (EIP) e a supervisão da CMVM sobre o controlo de qualidade exercido pela OROC sobre os restantes auditores permitem, segundo a presidente da CMVM, concluir que “há ainda um caminho relevante a percorrer” em Portugal para “elevar a qualidade” da auditoria a “patamares superiores que todos desejamos”.

Também na abertura do encontro, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça, expressou reconhecimento pelo papel da atividade profissional do revisor de contas e enalteceu o interesse de todos, mas sobretudo da sociedade, na prestação de contas.

Na opinião do governante, a crise financeira internacional motivou uma reflexão e criou uma oportunidade para que as regras de auditoria fossem alteradas para mais transparência, maior rigor no reporte financeiro, recuperação da confiança e captação de investidores.

“O vosso trabalho é o garante de transparência empresarial e de uma economia mais capaz de atrair investimento”, disse António Mendonça, dirigindo-se a uma plateia com mais de uma centena de ROC.

O Bastonário da Ordem dos ROC, José Rodrigues de Jesus, terminou o seu discurso de abertura do encontro citando o manual das normas de auditoria: “Em ambiente onde a profissão é muito respeitada ou em que lhe é conferida autoridade apropriada, através dos mecanismos relevantes, será mais fácil aos auditores demonstrarem ceticismo profissional e fazerem auditorias robustas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CMVM quer combater afastamento de auditores de contas que destacam fragilidades

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião