Portugal entre os países onde os ativos das famílias mais crescem. Mas o passivo também sobe

Pela primeira vez em mais de uma década, a riqueza mundial da classe média não cresceu. Portugal é um dos poucos que conseguiu contrariar a tendência.

Os ativos financeiros das famílias portuguesas cresceram 1,6% no ano passado e, segundo o Allianz Global Wealth Report, esta foi o terceiro maior aumento na Zona Euro. O país contraria assim a tendência mundial, onde o total de ativos financeiros caiu, pela pela primeira vez desde a crise. Apesar disso, o passivo das famílias em Portugal também aumentou.

Os ativos financeiros líquidos das famílias em Portugal cresceram 1,6% em 2018, o que representa o crescimento mais lento desde 2012. Por cada habitante no país, existiam 23.230 euros em ativos, sejam eles depósitos, PPR, seguros, ações ou obrigações. Portugal ocupou, tal como no ano anterior, no 23º lugar do ranking dos países mais ricos da seguradora Allianz.

Portugal foi um dos poucos países europeus a alcançar crescimento, superado apenas pela Alemanha (2,2%) e Holanda (1,7%), na Zona Euro, e também pela Noruega (2,8%) a nível europeu. Espanha (-1,6%), Itália (-4,8%) e Grécia (-7,2%) destacaram-se pela negativa.

“Todas as classes de ativos contribuíram para o aumento, destacando-se os depósitos bancários, que atraíram grande parte das novas poupanças, com um aumento de 3,8%. A classe dos títulos, seguros e pensões apresentaram crescimentos muito mais débeis: 0,8% e 0,6%, respetivamente”, refere o Allianz Global Wealth Report.

O passivo financeiro das famílias portuguesas cresceu 1,6%, o maior o aumento dos últimos oito anos. Apesar disso, a dívida privada está 10% abaixo do pico de 2010 e o índice de endividamento das famílias continuou a recuar, fixando-se em 84,1% no final de 2018 (menos 20 pontos percentuais abaixo do pico em 2010).

Riqueza do mundo recua pela primeira vez desde a crise

O ranking dos países mais ricos é liderado pelos EUA, que superaram a Suíça em 2018. No entanto, o ano não foi positivo a nível global: pela primeira vez, em mais de uma década, a riqueza mundial da classe média não apresentou crescimento. Cerca de 1.040 milhões de pessoas pertenciam à classe média, o mesmo número que no ano anterior. Os ativos financeiros nos países industrializados e emergentes diminuíram simultaneamente pela primeira vez.

O relatório refere que 2018 foi um ano “exigente”, apontando para a guerra comercial entre os EUA e a China, o Brexit, crescentes tensões geopolíticas, o agravamento das condições monetárias e a perspetiva de normalização da política monetária. Nos mercados acionistas, o valor global das ações caiu 12%, levando a uma quebra no valor global dos ativos financeiros brutos das famílias de 0,1% para 172,5 biliões de euros.

“A crescente incerteza teve sequelas. O desmantelamento da ordem económica global, baseada em regras, limita a acumulação de riqueza. Os números do crescimento de ativos também o tornam evidente: o comércio não é um jogo de soma nula. O protecionismo agressivo não conhece vencedores”, sublinhou Michael Heise, chief economist da Allianz, no relatório.

No que diz respeito às poupanças, cresceram 22% para mais de 2.700 mil milhões de euros. O aumento do fluxo de fundos foi impulsionado, essencialmente, pelas famílias norte-americanas que graças à reforma tributária dos EUA viram as poupanças crescerem 46%.

Se as famílias norte-americanas procuram títulos, as famílias de outros países continuam a apostar nos depósitos bancários (ou na venda de títulos). Pelo oitavo ano consecutivo, dois terços das poupanças na Europa Ocidental tiveram como destino depósitos bancários.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal entre os países onde os ativos das famílias mais crescem. Mas o passivo também sobe

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião