Portugal financia-se em 1.250 milhões a juros negativos históricos

Tesouro português foi esta manhã aos mercados para financiar Estado em 1.250 milhões de euros. Obteve o montante mínimo pretendido a taxas ainda mais negativas do que anteriores operações.

Portugal continua a aproveitar as condições favoráveis do mercado para se financiar. Desta vez, num duplo leilão de títulos de dívida de curto prazo, o Tesouro português obteve um financiamento de 1.250 milhões de euros, numa operação em que mais uma vez os investidores não se importaram de “pagar” para emprestar dinheiro ao Estado português. As taxas de juros foram ainda mais negativas do que em anteriores operações em consequência do aumento da procura.

No leilão de títulos a seis meses, Portugal obteve 250 milhões de euros a uma taxa de juro de -0,463%, que compara com a taxa de -0,454% do anterior leilão comparável realizado em julho. A procura foi 4,7 vezes superior à oferta, fator que ajudou a baixar o juro da operação.

Já o financiamento de 1.000 milhões de euros em bilhetes do Tesouro a 12 meses registou uma taxa de juro de -0,44%, um valor ainda mais negativo do que os -0,431% observados no último leilão semelhante. Neste caso, os investidores pretendiam o dobro da dívida que o IGCP efetivamente colocou esta quarta-feira.

Bilhetes do Tesouro com taxas cada vez mais negativas

Fonte: IGCP

A República consegue assim um financiamento total 1.250 milhões de euros em dívida de curto prazo, que era o montante mínimo pretendido pelo IGCP liderado por Cristina Casalinho.

Já era expectável que Portugal continuasse a registar taxas negativas neste tipo de operações, tendo em conta a política ultra expansionista do Banco Central Europeu (BCE) — que ainda na semana passada anunciou uma nova ronda de estímulos monetários, incluindo o relançamento de um programa de compra de ativos — e também a melhoria da perceção de risco nos mercados e agências de ratingna sexta-feira passada a Standard & Poor’s melhorou o outlook da dívida portuguesa, justificando a decisão com o crescimento económico e a redução da dívida pública, que contribuem para a sustentabilidade das finanças públicas.

De resto, também nos leilões de dívida de longo prazo o país tem observado uma baixa considerável nos seus custos de financiamento. Há uma semana, o IGCP colocou 600 milhões em obrigações do Tesouro com os investidores a exigirem uma taxa de 0,264%, quase metade do que havia pago no anterior leilão comparável (0,51%), realizado em julho.

No caso da dívida de curto prazo, os juros estão em terreno negativo porque os investidores preferem fazer aplicações nestes ativos de elevada segurança ao invés de parquear o dinheiro nos cofres do BCE, onde é cobrada uma taxa de depósito de -0,5%. Teoricamente, os investidores perdem menos dinheiro a “emprestá-lo” a Portugal do que simplesmente deixá-lo parado em Frankfurt.

(Notícia atualizada às 11h23)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal financia-se em 1.250 milhões a juros negativos históricos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião