Centeno quer “Portugal na Liga dos Campeões” com dívida pública abaixo de 100% do PIB

Ministro das Finanças respondeu a perguntas, numa iniciativa promovida pelo PS nas redes sociais. O candidato a deputado socialista quer que, em 2023, Portugal tenha uma dívida abaixo de 100% do PIB.

O ministro das Finanças disse esta terça-feira que o maior desafio que Portugal enfrenta em matéria de contas públicas é o de colocar a dívida pública abaixo de 100% do PIB, onde espera que o país chegue em 2023. Mário Centeno quer entrar na Liga dos Campeões da dívida pública, saindo da cauda da Europa e juntando-se a outros países que estão a meio da tabela, como por exemplo Espanha.

As declarações do candidato a deputado pelo PS foram feitas na sede do partido, em Lisboa, numa iniciativa dos socialistas nas redes sociais. Quem assistisse ao direto podia colocar perguntas através das caixas de comentários.

Questionado sobre qual o desafio que Portugal tem pela frente até 2023, o último ano da próxima legislatura, o ministro das Finanças manteve-se no seu campo de ação — as contas públicas — e adiantou que Portugal tem o “enorme desafio que é” o de ter “uma dívida pública abaixo de 100%”.

Centeno disse que gostava de ver Portugal a sair da “cauda da Europa” e a jogar “a meio da tabela”, tendo em conta que Portugal tem atualmente uma dívida pública que ronda os 120% e que coloca o país mal no ranking dos países com melhor situação em matéria de dívida pública.

Se esta vontade se concretizar — ela está prevista no Programa de Estabilidade que o país enviou para Bruxelas em abril e o compromisso não mudou com a apresentação do programa eleitoral do PS –, Mário Centeno vê Portugal a passar por outros países como por exemplo a Espanha com “enorme velocidade”.

Na conversa, que foi conduzida por um moderador do PS, o recurso às imagens futebolísticas foi uma constante. E este assunto não foi exceção. O ministro admitiu que quer ver “Portugal na Liga dos Campeões”. Ou seja, com uma dívida pública mais baixa que a atual.

O responsável salientou ainda as boas notícias publicadas na segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) que reviu em baixa em uma décima o valor do défice de 2018 e reviu em alta o crescimento económico de 2017 e 2018.

Evolução da dívida pública (valores em percentagem do PIB)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno quer “Portugal na Liga dos Campeões” com dívida pública abaixo de 100% do PIB

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião