Custo dos cartões de débito dispara. Chega a 31,20 euros

  • ECO
  • 26 Setembro 2019

Bancos fizeram 788 alterações às comissões bancárias no primeiro semestre, com o custo dos cartões de débito a aumentar 16,6%. BdP diz "não dispor poderes para limitar as comissões bancárias".

Os bancos continuam a aumentar as comissões. Prova disso são as sucessivas alterações feitas aos preçários, que mais do que duplicaram na primeira metade deste ano, comparando com o mesmo período do ano passado. Muitas dessas revisões ditaram um agravamento dos custos dos cartões de débito.

De acordo com dados do Banco de Portugal, as atualizações realizadas pelas instituições bancárias aos preçários de comissões nos primeiros seis meses do ano ascenderam a 788, o dobro das realizadas ano passado (390). São mesmo superiores ao total de alterações realizadas ao longo do ano passado (676).

Grande parte destas alterações foi para agravar os custos dos cartões de débito. O supervisor do sistema financeiro revela que os custos destes cartões subiram 16,6% entre janeiro e junho deste ano, havendo quatro entidades não cobram nada. Num banco, o custo máximo ascende a 31,20 euros.

No caso dos cartões de crédito, os custos aumentaram apenas 1,1%, oscilando o valor anual entre zero (oito instituições) e 31,20 euros (três instituições), o que representa uma média de 17,63 euros.

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, refere que “não dispõe de poderes para limitar ou proibir a cobrança de comissões”, nota o Público (acesso condicionado).

O BdP “é responsável pela fiscalização do cumprimento das normas que impõem limites ou estabelecem proibições à cobrança de comissões, bem como pela observância dos deveres de informação por parte das instituições”, mas que “a generalidade das comissões cobradas pelas instituições (…) é livremente estabelecida por estas”, destaca.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Custo dos cartões de débito dispara. Chega a 31,20 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião