Cofina aumenta capital em 85 milhões para comprar a TVI

O grupo liderado por Paulo Fernandes anunciou ao mercado que está a preparar um aumento de capital de 85 milhões de euros para financiar a compra da Media Capital.

Já se sabia que a Cofina vai aumentar o capital, mas agora é oficial. Segundo um comunicado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliário (CMVM), a Cofina está a preparar um aumento do capital de 85 milhões de euros para financiar a Operação Pública de Aquisição (OPA) sobre a Media Capital, anunciada no dia 21 de setembro, e que envolve um valor global de 255 milhões de euros.

Como o ECO já tinha revelado, este aumento de capital vai ser realizado pelos atuais acionistas, mas também por novos, como o empresário Mário Ferreira e o banco espanhol Abanca. Segundo o comunicado, a Cofina perspetiva a realização de um aumento de capital “num montante que atualmente se estima de € 85.000.000,00 (oitenta e cinco milhões de Euros), destinado ao financiamento parcial da referida operação de aquisição”.

Esta era um passo necessário para dar seguimento à própria oferta, ainda preliminar e que terá de ser registada oficialmente até ao dia 11 de outubro, após a qual a administração da Media Capital terá de emitir um comunicado sobre as condições e oportunidade da oferta.

De acordo com o anúncio preliminar, a dona do Correio da Manhã propõem-se pagar 2,3336 euros por cada ação da dona da TVI que não é controlada pela Prisa e 2,1322 euros pelas mais de 80 milhões de ações que estão nas mãos do grupo espanhol. Assim, a oferta global ascende a 180 milhões de euros. Incluindo a dívida (enterprise value), a operação de compra da Media Capital envolve cerca de 255 milhões de euros.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cofina aumenta capital em 85 milhões para comprar a TVI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião