Cofina compra TVI… e muito mais. O que vem no “pacote”?

A Cofina avançou com a oferta para comprar o grupo Media Capital, mas a operação engloba muito mais do que a TVI. Conheça todas as marcas que vão passar para a dona do Correio da Manhã.

A Cofina é oficialmente a terceira empresa a tentar comprar a TVI, depois de duas tentativas falhadas nos últimos anos, primeiro pela antiga Ongoing e, mais recentemente, por parte da Altice Portugal. Mas não é só a estação televisiva de Queluz de Baixo que passa a ter novo dono com esta operação avaliada em 255 milhões de euros e que envolve uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) de cerca de 180 milhões de euros e a dívida da própria Media Capital, de cerca de 75 milhões de euros. Caso a dona do Correio da Manhã consiga a aprovação dos reguladores, ficará também com todos os outros ativos da Media Capital.

De longe, a TVI é o ativo mais importante e mais popular do grupo que tem Luís Cabral à cabeça. Mas há outros nomes bem conhecidos dos portugueses. Se a Cofina conseguir comprar a Media Capital aos espanhóis da Prisa, passa a controlar também uma série de rádios, uma produtora audiovisual e as várias plataformas digitais da empresa portuguesa.

A Cofina já fez saber que pretende “manter a linha editorial dos diferentes meios de comunicação social que detém e que passará a deter, bem como todos os profissionais que estejam dispostos a colaborar neste novo projeto”. Mas também “intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador, tendo em vista a transposição para a legislação nacional da designada ‘diretiva Netflix’”, referiu a empresa de Paulo Fernandes em comunicado, no dia em que foi feito o anuncio preliminar da OPA.

Abaixo, conheça tudo o que vem no pacote. Incluindo alguns dados financeiros importantes sobre cada um dos negócios, no período de janeiro a junho (primeiro semestre).

1. Televisões

A televisão é o principal negócio do grupo Media Capital, através do qual a empresa explora receitas da publicidade ou da distribuição de canais no cabo, por exemplo. Ao comprar o grupo, a Cofina passará a controlar os canais TVI, TVI24, TVI Internacional, TVI Ficção, TVI África e TVI Reality.

O mais relevante do pacote é o canal generalista TVI, distribuído em sinal aberto em todo o país através da Televisão Digital Terrestre (TDT) e que durante vários anos permaneceu líder de audiências, um estatuto reconquistado este ano pela concorrente SIC, detida pela Impresa. Ainda assim, é o segundo canal mais visto do país, logo, um dos que tem maior influência junto da população portuguesa.

O segundo canal mais relevante da Media Capital é a TVI24, focado na informação e distribuído apenas na televisão por cabo. A par destes, a TVI Internacional tem como alvo a diáspora portuguesa, a TVI Ficção distribui alguns dos conteúdos mais populares produzidos pela Media Capital (já lá vamos), a TVI África é voltada para os países africanos de língua oficial portuguesa (PALOP) e a TVI Reality exibe os reality shows comprados pelo grupo, entre os quais se destacou, por exemplo, a Casa dos Segredos.

Dados do negócio de televisão:

  • Receitas totais: 70,27 milhões de euros
  • Receitas com publicidade: 47,34 milhões de euros
  • Gastos operacionais: 61,53 milhões de euros

2. Rádios e música

Dizer que a dona do Correio da Manhã vai comprar a dona da TVI até pode parecer redutor, tendo em conta que o negócio também inclui a totalidade do grupo Media Capital Rádios (MCR) e, consecutivamente, estações como a Comercial, M80, Cidade FM, Smooth FM e Vodafone FM.

No que toca à Rádio Comercial, estamos a falar de uma estação generalista no topo das audiências em Portugal, jogando a liderança taco a taco com a concorrente RFM, do grupo Renascença Multimédia. As restantes estações apelam a diferentes nichos: a M80 foca-se sobretudo nos grandes clássicos dos anos 80, a Cidade FM foca-se nos jovens, a Smooth FM é uma estação de música jazz e a Vodafone FM é uma rádio que transmite apenas nos grandes centros urbanos de Lisboa, Porto e Coimbra. E não esquecer, por fim, a editora de música Farol.

Dados do negócio de rádio e música:

  • Receitas totais: 12,1 milhões de euros
  • Receitas com publicidade: 9,93 milhões de euros
  • Gastos operacionais: 6,32 milhões de euros

3. Produção audiovisual

A Plural é outra das joias da coroa da Media Capital, sendo um dos principais players nacionais no setor da produção audiovisual. É da Plural que sai a ficção nacional da TVI, nomeadamente as novelas, e mais recentemente também alguns concursos.

É também o segundo negócio que mais gera receitas no grupo e, na nova era do streaming, poderá mesmo vir a ser a “galinha dos ovos de ouro” da empresa, ambicionando produzir séries para plataformas como a Netflix.

Dados do negócio da produção audiovisual:

  • Receitas: 15,3 milhões de euros
  • Gastos operacionais: 16,6 milhões de euros

4. Marcas digitais

O “pacote” Media Capital inclui ainda uma série de negócios no mundo digital, agregados debaixo da subsidiária Media Capital Digital. São eles o portal IOL, o IOL Negócios, o TVI Player, o Mais Futebol, o Auto Portal, a Selfie e a plataforma de descontos Planeo, além dos sites da TVI e TVI24.

Dados do negócio no digital:

  • Receitas com publicidade: 1,89 milhões de euros
  • Outras receitas: 6,12 milhões de euros
  • Gastos operacionais: 7,3 milhões de euros

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Cofina compra TVI… e muito mais. O que vem no “pacote”?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião